Um escrito para os nem-nem: nem Lula e satélites, nem Bolso e genéricos

O que vai acontecer? Depende e muito mais do que se imagine dos vão fazer os tais “isentões”. Se isentar ou se posicionar.

Antes de explicar o que vai acontecer uma brevíssima leitura do que aconteceu. Primeiro conforme o previsto.

O sistema jurídico deu um tiro na cabeça. E isso tem seu lado ruim e bom.

Numa leitura simplista é a seguinte, ruim é que muita gente perigosa vai sair. O bom, é que muita gente inocente vai sair. Numa leitura um pouco menos superficial a peça angular do sistema quebrou de vez. E mesmo que eles voltem atrás. O efeito desmoralizante e desintegrador é fatal. Voltando atrás para fechar as porteiras para os bandidos sem nome nem diploma, revolta. Deixado como está o modelo do estado prisional como sob uma fachada de estado de direito está ferido de morte. O esgoto vai transbordar. Eles vão parar de jogar gente pobre na cadeia? Não. Vai fazer gambiarras no tal do devido processo legal, e colocar mais pressão numa panela de pressão que já está pronta para explodir.

Do ponto de vista político, tudo isso é ótimo os demagogos que apostaram na divisão e paralisia e medo, e que vão continuar colocam fogo na fogueira e no circo para depois de vender como salvador e pacificador, clássico. Quem ganhou? De partida a polarização: Lula x Bolsonaro, e logico o Centrão do poder pronto para servir a um ao custo Brasil qualquer um deles. O velho regime de uma normalidade oligárquico que contudo já não tem mais como se sustentar no século XXI. Talvez creia que possa manter o velho ciclo de regimes de alternância de falsas democracias fracas, com ditaduras, acompanhando, o cenário político internacional. Guerra fria, segunda mundial… ditaduras… entre-guerras… republicas café-com-leite, e democracia para gringo ver… Mas o que estamos passando é um revolução revolução info-industrial, e embora os mecanismo do capitalismo tenham se aperfeiçoado desde do crash de 29, uma crise monetária-financeira sem precedente, porque essa revolução industrial, é tecnologia das comunicações, transporte, energia, maquinário, e especial na natureza da produção, reprodução não só do capital mas do seu valor que de financeiro está se tornando essencialmente não só informacional, mas metainformacional, o faz não só do banco de dados e proprietários intelectuais e produtores de tecnologia os donos e governantes do mundo, mas os produtores da lógica de produção da metainformação, isto é, os designer e arquitetos conceituais das redes de controle automatizado das mentes e corações os verdadeiros donos do capital.

Em certo sentido é um retorno a idade das trevas, mas não a medieval dos crentes subdesenvolvidos e gurus Olavistas, mas das corporações hightech privato-estatais que empregam as mesmas técnicas de fidelização, conversão e amestramento de qualquer domesticador de arrebanhados gentes como manadas de massas de manobras arrebanhadas, mas com ferramente automatizadas científicas e tecnológicas de tele-computação de ponta que estes empregam como meros usuários, e neste sentido são tão clientes e massa de manobra desse provedor mor dessa droga mundial quanto seus rebanhos.

Ou seja ideólogos menores e idiocratas, que não passam eles próprios de idiotas nas mãos dos ideólogos maiores que provem a arquitetura não só do ambiente bolha do qual depende sua ideologia a sua rede, mas do qual depende a própria rede ideologia da mente bolha. Porque quem controla as paredes e o ph do aquário controla os peixes. Incluso a realidade e visão do rei e o mais sábio dos peixes presos nele, porque depende dele não só propagar sua visão, mas para receber os imputs dessa falsa realidade, onde a realidade incluso do gado de abate que morre feliz, é o que ele quer ver. Mas morre feliz dentro do seu domus. Uma arte ansciente, mas que enquanto o pastor, predador pequeno daquela igrejinha e o traficante da boca de fumo joga com seus arco e flecha, essas mega-predadores já engoliram bilhões. Nem a Igreja Católica em seu ápice, teve tanto poder de persuasão para fazer a cabeça das pessoas, nem Estados-Nações, nem mesmo, cidadães Kanes. E a computação quântica está mal começando. O Brasil, gritando Deus vult, nesse universo de competitivo? Caçando seus irmão contra irmão, por idolatria messiânica. Meu amigo… isso não é um choque de civilizações, isso é um choque tecnológico. É arco e flecha, contra canhão. Olhe a história e veja os resultados em números do que acontece com povos que ficam invocando são lula e são Bolsonaro no meio de uma guerra.

Porque é nisso que o mundo já está uma guerra geopolítica, econômica, ambiental, comercial não DE (des)informação mas pelo controle dos meios de produção e reprodução da METAINFORMAÇÃO: e isso não incluso só a posse estratégica de matérias-primas raras. Mas domínio sobre corações e mentes em um plano que o domínio não é meramente o campo da guerra psicológica, mas da epistemológica. E nessa guerra enquanto eles tem submarinos nucleares não temos sequer luneta que dirá radares ou satélite semióticos.

Em verdade não temos sequer tecnológica das outras revoluções industriais. Até porque o problema sempre foi de mentalidade, de valores, de credos, de fés, de critérios de verdade, de julgamento, de bem e de mal, de valorização da ciência, da psicologia, e isso a ciência, cultura, educação, filosofia. E isso cada um desses campos de saberes dominados por suas respectivas autoridades mesmo com toda a sua prepotência, não pode fazer por si mesmo, até porque dominados pelo autoritarismo replicavam, conscientemente ou não, o mesmo inconsciente coletivo, e logo, sem perceber já tinham perdido essa batalha, ou se rendido a velha mentalidade arcaica prepotente que recusa e renega esse campo das metafisicas, em verdade nada mais que o campo de batalha pela essência da verdade e significado visão e sentido existencial, que abandando está perdido, e já ditado por outro, idiota ou não, que agora o governa, porque no vácuo é que não fica.

Eis porque ninguém jamais bateu Lula ele não é um psicopata, ele é um estadista ou o que é a mesma coisa um estatopata, ele é o cara. Por isso chamam ele também de um gênio. Joga em um outro plano. O que as pessoas ditas normais, ou regradas pela ordem da normalidade incluso os psicólogos, porque não querem e nem podem fugir a esse regramento das normas e normalidade. Ele não. Ele sabe, que basta perverter a norma que ele manda manda prender não só o juiz que questiona seu atos, mas até o cientista o psiquiatra ou psicologo que vier a questionar seu juízo e juízos. Ele sabe, que mesmo sem o poder de prisão, e até preso, se domina quem domina quem manda prende continua regrando a norma, e não só sub-repticiamente, mas tacitamente, jogando com os valores que preconcebem a validade não dos valores mas da norma e normalidade do sistema de juízo. Não joga com o rito e culto e arcabouço que se impõe. Seu xadrez não é no plano político nem sequer cultural, ou mesmo meramente jogo psicológico, seu olho não é clínico, é semiótico e sobre a anima das pessoas. Instintivo, com certeza, mas o resultado é o que interessa. Seu raciocínio, não é sobre personalidades, ou comportamentos, é sobre vontades e motivações. Não é técnica de dominação sobre a estímulos e respostas de medos e desejos, é a metis sobre sentidos existenciais. Ele não prevê movimentos nem tenta controlar mente e corações, ele se apossa e parasita se vontades animas trabalhando se fazendo de chão o céu das pessoas, se introjetando simbolicamente não além do certo e errado, falso e verdadeiro, mas como critérios de julgamento de verdade e falsidade, certo e errado.

Logo quando Lula diz que ele é uma ideia ele não está sendo imodesto quer gosto ou não ele está relatando um fato, ou se preferir confessando exatamente o que ele, um parasita psicopatológico que se introjetou na camada mais profunda do inconsciente coletivo dos fanáticos, na episteme, onde a própria pisque é formada para além da mera fisiologia individual de cada mente, mas na relações arquiteto-dinâmicas da rede neuro-social. E portanto não adianta transformá-lo num mostro, nem bode expiatório. Porque tudo que ele é um oportunista, mais inteligente que o sistema imunológico coletivo, mas fazê-lo de bode expiatório dessa falha do ethos, não vai corrigir essa problema, outros vieram antes, e outros estão aí para provar isto.

Lula é o animal politico por excelência daria aula para Maquiavel, não tem princípios só finalidades Simples. Não espera o pênalti ser batido, para pular. Nem fica adivinhando canto. Não fica fazendo estatistica. Ele vai até o jogador que bater o pênalti contra ele. Olha no olho, e não só tenta ler o que onde o cara vai chutar, como ainda fala na orelha do cara, para chutar a onde ele vai pular. Se finge de morto para comer cú de coveiro, como diria meu pai. E quem acha que sabe ou tem ciência jogando contra quem improvisa em cima da ciência e predeterminação alheia sempre vai perder, porque ele não joga com planejamento estratégico, mas fazendo sempre o oposto do que adversário espera, mas exatamente o que o adversário espera, só que sem saber que em verdade, ou na episteme é o que ele quer. infantil.

Entendeu o jogo politico no plano não epistemológico, o culto cultural, os ritos e rituais que rege e comandam e programam a inconsciência da própria ciência dos juízos científicos, ele manipula, se comunica nesse plano, inclusive com a população enquanto todo o resto grita no plano das formalidades e informações, Lula conversa com o inconsciente coletivo, sem nenhuma ethos, brinca com alma do povo brasileiro, joga com a vida dos companheiros. Trabalha ao contrário dos cientistas políticos, publicitários e marqueteiros, pesquisas, coletando, o que as sentem, pensam, para tentar influenciar, persuadir, convencer as opiniões. Ele joga no plano da introjeção das vontades. Ele não tem faz projeta ideias e pensamentos, ele expectativas vontades para introjetar emoções que interessam aos seus objetivos, de modo que os espertos que o seguem mesmo quando estão achando que estão passando a perna nele, enfim fazendo algo segundo sua vontade, estão executando as vontades deles. FHC foi a copia ou versão alternativa mais erudita. Bolsonaro, a versão mais antitética mais radical os outro credo e desilusos.

Genial? Maligno? Santo? Monstruoso? Doentio? Adjetive como quiser, mas o fato, é que isso é o Facebook faz com você com tecnologia de ponta. E o que a Igreja Católica, por sinal onde Lula aprendeu o riscado, dessa escatologia há milênios. Algo que já existia antes e agora, não só está aperfeiçado, sistematizado, institucionalizado, despersonalizado, maquinado, mas computadorizado. No fundo não é nada mais do que psicologia infantil para adultos infantilizados. Tanto os ricos quanto os pobres. ambos carentes e em carestia. Ambos vulneráveis, miseraveis, e já previamente imbecilizados e brutalizados uns como coitados humilhados e humildes impotentes, outros como idiotas prepotentes e invejosos. Ambos sem defesas lógicas e paradigmáticas contra esse tipo de vigarice que joga contra o plano da fé e esperanças e potencias volitivas e vocações, em todas as estrategicamente negada e renegada exatamente para poder ser idiocratizada por esse tipo de parasitagem paternalista-patriarcal primitiva retardadora e infantilizadora do desenvolvimento pleno da sua consciência libertária, igualitária e sobretudo fraternal. O obscurantismo fanático por excelência contra a lucidez e o iluminismo da fé na razão e liberdade de pensamento e consciência. Mais medieval que isso só mesmo mitologia deus vult! tabajara do Olavismo e o bolsonarismo. Versão subdesenvolvido de Trump e Bannon. Estes por sinal meros idiocratas populistas anti-stamento tardiamente descobertos pelo statamento dos United States como idiotas úteis tanto de megacorporações totalitárias como do Putin.

Putin para quem acha Lula, um o maior peixão, ele não passa de lambari, perto desse player. Porque política no fundo é macaco disputando território, mostrando os dentes ou lambendo o rabo do outro incluso no plano simbólico…

Ou não.

O problema é que esse avanço cai volta-se para decair na reprodução para capitalizar a mesma selvageria. Então, a tendência não é a desigualdade crescente, mas tensões e rupturas porque nada pode que é corpo, tecidos e organismo, mesmo os dotados da capacidade de autoregeneração postos sob tal condição, (aliás condição não, contradição) não se crescem ao infinito se rompem quando não explodem. Isto quando esta não é a intenção das forças nos polos extremos.

Image for post

Então, mesmo que Lula não fosse um, na melhor hipóteses, o santo ou salvador da pátria, que diz e dizem que é na pior o gênio do crime estatal (o estatopata), mesmo assim. O sebastianismo já era atraso de vida desde que Portugal perdeu o trem da história com escatologia. E agora esse tipo de ideologia amplamente sabotadora e destrutiva que funciona como uma parasita ou vírus dentro do território ou organismo hospedeiro, esse verdadeiro cavalo-de-troia dentro do inconsciente coletivo de uma nação e cada cidadão, se reproduz não em caravanas, radio, televisão, mas via internet, celular, mesmo quando as pessoas saem dela. Porque as pessoas saem da rede, mas a arquitetura da rede não sai da cabeça delas, a plasticidade permanece e conforma as relações sociais, reproduzindo a bolhas virtuais do simbólico para o real, do espetáculo da representação do real, para a realidade. Novamente nada de nova, mas em um escala inédita de conexões e complexidade das cadeias de disseminação do controle não só panoptico, mas antes de tudo semiótico. Porque não só os olhos do satélites que o vigiam, ou olhos do vigiam. A vigilância se introjeta contra sue próprio estado de vigília, ou consciência no seu subconsciente e passa a sabotar sua vontade própria gerando vontades e desejos que você nem sabem de onde vieram.

Saber a trajetória? Prever os cenários? Só em breve mais de você do que você mesmos? Ah, vai comer merda. Eles já sabem. E em geral já sabiam e agora cada vez de forma mais particular e privada, porque cada vez mais os sistemas de informação ganham poder não só de processamento de dados, mas de preconcepção dos metadados. Já sabiam e agora não só saberão mais como ditarão mais, Porque são eles que definem quem é quem. e definem controlando não só a preconceituação as anulando a autoterminação para impor a predeterminação das vontades alheias a própria, não só como coerção ou repressão, mas como monopolização do universos de possibilidades e escolhas de modo a criar uma representação delimitada da realidade. Uma fantasia e fantasmagoria, Um arcabouço de conformação onde todas as suas percepções de liberdade ou mesmo realidade, são falsificações do real e da liberdade, porque em verdade são forma e informações escolhidas para atender os interesses de quem define as escolhas, as apostas e as possibilidades. Inclusive não só como alternativas mas como chances e probabilidades já (de)marcadas. Dados viciados. Eventos fraudados. Fatos falsificados. Visão delimitadas. Comunicações intermediadas. Comunhões quebradas. Relações forçadas. Aculturação que descosmopolitiza.

Não ainda se enganar ou fugir quem não está gramatica, matemática, logicamente programando sua lógica, sua linguagem, sua próprio lógica e programa e sistema não operacional, informacional, intelectual, sensorial, mas antes de tudo o senso comum seminal e lógica de programação episteme que compõe a sua ciência, mas sua estado de consciência, incluso com fé no conhecimento e ciência, já era. É objeto não sujeito do mundo. É recurso humano, e não gente. É propriedade, DNA ambulante, cobaia, órgão a ser traficado, corpo de teste de agrotóxico, vacina, é preto do eugenista e necrocapitalistas herdeiros do mundo. Não é pessoa humana é meio e objeto de estudo, emprego, laboratório, experimento, não é gente é cadáver a ser capitalizado e eliminado quando perder seu valor de uso, ou sua função existencial alienada da qual não é proprietário da definição nem formulação, mas mera fator destituído do direito de autodeterminação da equação desse sistema dinâmico complexa mas ainda sim predeterminista. E que não lhe pertence, mas você pertence a ele enquanto não tomar consciência que ciência alheia e alienada não é ciência mas inconsciência.

Porque o observador sempre determinada não só o que é a verdade mas o que a realidade de acordo não só com seus interesses, mas com a sua natureza elementar epistemológico tanto do saber metainformação quanto dos fenômeno metafísica. Ou em termos mais humanos proprioconcepção e autodeterminação, como pura força vontade e liberdade.

Esse é o tamanho da treta do século XXI, treta igual, portanto não tivemos desde o iluminismo. Não por acaso desde o descobrimento do novo mundo e consequente do Brasil.

Logo o efeito é que se criou um crise que demanda nada menos do que o Brasil precisa a 500 anos: uma verdadeira revolução que não é dos monstros que querem sangue e terror para tomar o poder. Mas revolução de verdade de paradigmas, de tempos e espaços. De estados, de ser, estar e saberes. De definições, comportamentos, movimentos e relações do eu, o outro e o mundo. Revoluções que são ainda mais profundas que as culturais, e até mesmo as cientificas, são revoluções de consciências que geram novos métodos de produção do conhecimento, e até de reprodução de culturas e civilização. Revolução que alteram o modo como as pessoas de definem a realidade e portanto a sua gênese e visões preconceituosas, obtusos, segregatórias, primitivas e violentas de humanidade e humanização. Ligação com a natureza, e re-ligação com tudo que é sagrado para eles, logo com a própria fé e religião.

Isso pode ocorrer com uma tremenda convulsão social, morte e um período curto, ou novamente médio, ou medieval de letargia ou trevas se preferirem, ou sem perda, de vidas, saberes e tanto conquistas já feitas. Tudo isso vai depender do que as pessoas que não estão se fanatizando e ensandecendo, que percebendo a onda de loucura e estão perseverando e resistindo vão fazer juntas e com certa urgência porque separadas, fugindo ou hesitando vão ser pegas uma por uma. Porque como já dizia os 3 do nordeste, se correr o bicho pega se ficar o bicho come. Há que abrir os olhos e enfrentar a realidade. E entender que o problema não é Lula nem Bolsonaro, nem o crime, nem muito menos a corrupção todos são sintomas. O problema nunca pode ser o outro. Porque quando você coloca o problema no outro, você já perdeu. Ou você chama o problema mesmo quando o problema é do outro para você, ou você não vai resolver nada. E nisto já começa a solução. Não é uma construção de uma verdadeira sociedade. Que não transfere, não delega, não reclama, direitos ela chama responsabilidades sociais, se livra de governos e obrigações por que não deixa vácuo social. Não é governada Governa-se não porque chora por direitos para lideres, mas porque assume compromissos deveres mútuos para garantir direitos universais.

Verdadeiros pactos e contratos sociais, compromissão entre iguais de cidadão para cidadão e não de plebe com tiranos que se acham deuses entre meros mortais. Onde ninguém se faz de coitadinho nem de superhomem, mas cada um dá o quanto puder, para que ninguém fique vulnerável. Desigualdades continuam. Mas a miséria desaparece. Porque é da miséria que o mal se alimenta.

Não vou nesse texto defender porque uma pessoa ou uma criança ou uma família não pode perecer sem ter o que comer. Se o leitor acha que essa garantia deve ter contrapartida de cabresto vai para o colo do pai Lula. Se acha que morrer se o pais não forem cidadão de bem, é nazi vai para o colo dos Bolsonaro e afins. Quem acha que existe qualquer coisa que justifique ou racionalize não colocar um ponto final, hoje mesmo na miséria. Que não tem que dar nenhuma contribuição, ou acha que tem que tirar do outro, e não do seu bolso o quanto ele acha que deve contribuir que vá buscar seus mestres e tecno-burocratas.

Nos textos aqui vocês vão encontrar soluções práticas sobre como colocar acabar com a miséria. Só colocando um ponto final nessa chaga, vamos nos livrar de todos as outras pragas. Não adianta fugir dessa responsabilidade social, nem transferi-la. Ou a sociedade que tem tempo livre e dinheiro, não muito um pouco mais compra essa causa, ou vai ficar preso até toda a riqueza do pais e a dele própria também ser pilhada. É um ciclo vicioso de miséria, corrupção e crime. Erraram de novo, na cura. Investiram tempo, energia e dinheiro no lugar errado. Limpar o estado. Tem que investir no povo. Riqueza se produz investindo em gente. E quanto mais uma pessoa está empobrecida, mais é o potencial de crescimento dessa riqueza. Porque não existe combate a pobreza. Só existe produção de riqueza. E isso se faz colocando capital em comunidades e participando dos ganhos desse crescimento, e não lucrando com a miséria.

Agora. Já vou adiantando e não é por falsa modéstia não. Estou corrigindo um erro. Já estimulei muita gente a copiar, vendendo que a coisa mais fácil do mundo era reproduzir e sustentar um projeto de renda básica e não só pregação. Não é. Então peço encarecidamente que não façam como os gringos da Finlândia se forem fazer não saiam fazendo sem ter a mínima ideia do que estão fazendo, só copiando ou cagando regrinhas, porque não é fácil como parece, nem copiar tão simples como parece, porque uma coisa é falar de Paulo Freire, outra é aplicar e uma terceira transformar em tecnologia social, e outra ainda reproduzir em rede com ganhos em escala sem aumentar custo de produção, incluso do desenvolvimento humano. Então não façam merda. Até porque o que estamos fazendo hoje nem mais é o que os teóricos chamam da velha renda básica chamam disso. E ela é só uma peça mais visível de um sistema que está dentro de uma nova economia. Toda tecnologia social que não é mera pregação e promessa eleitoral não sobrevive independente por tanto tempo (10 anos) mesmo sem aporte corporativo estatal nem privado de capitais no ambiente tóxico do Brasil praticamente sozinha por acaso. Toda tecnologia social que é verdadeiramente tecnologia porque não é balela, isto é funcionou tem seus segredos. Até porque não somos trouxas como todo mundo sempre achou que eramos só porque sempre demos tudo de graça e fizemos sem cobrar um centavo. Uma coisa é ser honesto. outra é dar de bandeja as coisas para gente sabidamente bandida, ou mal intencionada.

Então. Não. Não é tão fácil, quanto parece, porque se fosse. Outros muitos maiores já tinham feito. E se estou dizendo isso só agora. Depois de tanto tempo. É só por uma razão. Esta na hora de todos deixarmos diferenças de lado e contribuirmos um pouco mais. Então, copia mesmo, mas pergunte como faz direito que não vamos sonegar informação não, salvo canalhas que só querem prometer e não querem fazer nada, ou pior adulterar tudo para ferrar com as pessoas. Quem realmente quiser fazer alguma coisa de verdade, pode contar conosco, mas para projetos de Brasil e não da pátria poder.

Porque que se for isso aí? Prefiro passar mais 10 anos na resistência lutando contra estas duas frentes, não vai ser agora, que vou agora desertar para um ou outra para me livrar deste ou daquele bando. E se for para cair amanhã que seja no entre os poucos ou mesmo sozinhos do que os muitos traindo minha própria fé e consciência e razão social que não jurídica nem alienada mas pessoal ditada não por ditadores mas por solidariedade tanto a minha livre vontade e vocação quanto a livre vontade das pessoas que estão e são o próximas. Não porque não seja solidário ao quem é distante, mas por que hoje sei que simplesmente porque não tenho braços, pernas e recursos para chegar até lá, porque se tivesse também o seriam. E então não seria um mero ideólogo um mero neodemagogo, mas um verdadeiro ativista social também para com esses povos.

Esse é para mim o ethos do Brasil, o papel do Brasil no Mundo, o tal do Brasil do Futuro. Um pais não neocolonizador. Mas um Brasil capaz de ensinar o que é essa ciência cosmopolitizada e consciência da cosmopolização não como doutrinação e objetificação dos outros povos. Mas como exemplo de convivência livre da violência, discriminação de raça, nacionalidade, gene, gênero, religião, classe. Um verdadeira sociedade livre. Uma utopia? Uma paraíso. Com certeza. Mas que estamos perdendo importando lixo que só serviu para produzir holocausto e miséria por onde passou, especialmente para os povos nativos. É isso que estamos fazendo nos autodestruindo e deixando nos destruir e ainda idolatrando dos todos poderosos como se fossem deuses e seus fantoches como se fossem santos. É isso que estamos fazendo conosco a começar com os mais vulneráveis e marginalizados. Mas não se engane. Amanhã serão, vocês, os isentões, depois traíras. E até mesmos aqueles mais ricos para fugir desse inferno, também vão rodar. Mas esse engano merece texto próprio.

Ficamos com a questão da Sociedade civil.

Não adianta pular etapas, sem sociedade civil organizada não há democracia. E sinto muito, não vou desqualificar protestos, jamais, são gritos mais do que legítimos, porque são espontâneos. Incluso as vanguardas organizadas como a do Chile, e das jornadas de julho, que não devem ser confundidas com os oportunistas lideranças políticos-partidárias que querem lucrar com cadáveres dos dois lados e não só dessas vanguardas e policiais, mas do povo que entrar de literalmente de massa de manobra desses necrófagos sedentos por caos para se vender como impor sua respectiva ditadura.

A sociedade civil hoje não passa de meras manifestações espasmóticas, não raros manipuladas por mídias e demagogos, organizações paraestatais pelegas ou apêndices de marketing empresarial, quando não de fidelização de igrejas ou partidos políticos para formar seus exércitos de militantes fanáticos e eleitores. Vivem dessa miséria e contradição e como falsa-contradição e mera compensação, mero papel higiênico quando nao higienista, consciente ou não de um estado-empresa e até alta sociedade gentrificadora da população excluída do pacto social politica e economicamente, e marginalizada pelo Estado.

Funcionam como mini-tentáculos. A capilaridade que faz o trabalho de base que garante a eleição dos populistas no pais onde impera a miséria, e a falta de solidariedade e o completo vácuo de uma inteligencia coletiva social do cidadão médio, o tal membro da sociedade para entender que cada centavo que ele transfere para o Estado, a Igreja como dizimo ou tributo ela não redistribui, os ideólogos embolsam e arrebanham, porque otário não é o gado, otário é o trouxa que banca o cerco formado por malucos feito com o seu dinheiro. Cerco formado por gente que um dia foi criança e tudo que pedia não era porrada, nem livro, mas antes do livro, um prato de comida, por que saco vazio, não para de pé. E livro na mão de quem está morrendo de frio, serve para fogueira. Eu sei, não foi porque o premio nobel fez experiencia com placebo, não, eu sei porque já distribui, dinheiro, brinquedo, livro, para criança com fome e frio. E não voltei para o conforto da minha casa. Mas estava ali, e vi e senti o que é quando cai a noite fria. E todos vão embora, e o ódio que tive da hipocrisia, da minha própria hipocrisia de missionário branco racista. Desertei.

Ou a sociedade civil se organizada e agraça o povo com fé na ciência produzido pelo povo como sociedade para o povo ser uma sociedade livre e consciente e capaz de ter fé na sua própria ciência e consciência, ou trabalhamos para que nós e eles possam se emancipa e produzir suas próprias soluções e tecnologia e riqueza em cima de suas própria ciência e consciência da realidade. Ou trabalhamos para que todos juntos possamos produzir ciência e tecnologia com consciência, isto é sujeitos e proprietários do nosso pais e identidade e razão existencial e nacional, ou seremos sempre o que somos, escravos, empregados, cobaias, recursos humanos tratados como se não fossem gente meros fornecedores de matérias-primas desumanizados e pilhados dos nossa cultura e saberes e ciências e até tecnologias sociais populares, um povo rico mas ignorante, miserável, desigual e subdesenvolvido, porque inconsciente e idiocratizado por insolidariedade fraternal.

Porque não se engana muitos já produziram suas próprias hipóteses, critérios de valores, tomada de decisão e razões existenciais e sociais, seu capital social, toda e econômico e ambiental. E que não raro, não porque falta capacidade ou capacitação, mas exatamente pelo contrário, porque não falta é parasita vendendo tutelagem e cabresto e burocracia e doutrinação de todo tipo de ideologia-demagogo para viver as custas da miséria alheia, seja politica ou religiosa. Faça com deus ou a natureza, a linguagem aqui é o que menos importe, corte o parasitismo, deixe que a criança beba água da fonte e cresça em paz. E a discórdia, guerra e tirania não vai desaparecer, mas vai diminuir na exata medida observada dos lugares de um Estado-Burgo como a Suíça. Logico que muros não conterão os excluídos. E por isso que o solidariedade não comporta discriminação de raça nem origem. Mas elas tem que cruzar fronteiras. A solidariedade a garantia do usufruto do minimo vital e não os tanques ou misseis. Renda básica a fundo perdido? Não pode cobrar seus ganhos do fundo patrimonial onde investir essa grana. Porque não existe combate a pobreza, existe investimento na riqueza das nações. Porque a nação que investir no seu povo. Vai poder pagar a longo prazo o devido retorno a quem investe no verdadeira riqueza não só de uma nação mas da humanidade: gente. Vida. Chega de Necrocapitalismo e múmias estatais. BioCapitalismo e sociedades livres. Chega de transferir direito e deveres inalienáveis.

Ou viramos adultos e entramos na idade da consciência e paramos de chorar e reclamar e pedir para papais do céu ou da terra resolver nossos problemas e passamos a nos comportar e tratar os outros como adultos emancipados cuidando sim uns dos outros não como crianças, mas como irmãos. Ou vamos ter isso aí, por mais 5 mil anos. Sim quem é mais forte vai carregar um fardo maior como no comunismo, e sim vai continuar a haver gente podre de rica como no capitalismo. Mas não vai mais haver miséria tiranos, ao menos não tiranos que constrói seu império e exercito roubando o que era por direito natural ou sagrado de cada pessoa que nasce nesse mundo: não morrer de fome, nem ter que lamber as botas ou chupar o saco de ladrão ou monstro para poder sobreviver, e tomar parte da vida pública: a política? Não a sociedade, porque tudo nessa vida é cosmopolitizado. E quem não é, está alienado.

Por enquanto segue texto antigo quando ainda palestrava nos Fórum Sociais Mundiais da Vida…

“Primeiro levaram os negros/Mas não me importei com isso/Eu não era negro./Em seguida levaram alguns operários/Mas não me importei com isso/Eu também não era operário./Depois prenderam os miseráveis/Mas não me importei com isso/Porque eu não sou miserável./Depois agarraram uns desempregados/Mas como tenho meu emprego/Também não me importei./Agora estão me levando./Mas já é tarde./Como eu não me importei com ninguém/Ninguém se importa comigo.”

Bertold Brecht

Fiz esse alerta no Brasil e no Mundo, precisamos de Renda básica incondicional e universal ou projetos autoritários e totalitários de esquerda e direita vão tomar lugar no mundo. Repito esse alerta com mais urgência. Quanto mais demoramos, mais precisamos dela e mais caro fico. Vai chegar um momento (e nunca sabemos quando esse momento chega ou se já chegou), em que o custo será impossível de pagar, o que significa que nem mesmo a renda básica poderá conter a ruptura dos tecidos sociais.

O altruísmo, a inteligência solidária não é por um capricho moral, mas sim uma capacidade singular de adaptação evolutiva da nossa espécie para sobreviver as mais adversas condições de vida. Cabe a nossa geração determinar os quão evoluídos como humanidade estamos ou não, ou se ficaremos nisto mesmo: macacos brancos racionais e territorialistas de ternos e gravata. Seremos mesmo só essa espécie supremacista idólatra e segregacionista com direito igual a vida como qualquer outra espécie? Ou conseguiremos enfim nos compreender de fato não só como meros semelhantes ou próximos, mas pessoas diversas distintas distantes e diferentes ainda sim iguais em direitos naturais inalienáveis a vida e a liberdade e propriedade enquanto convivemos em paz?

Será seremos iguais também ao sul e oriente periférico do planeta tanto quanto ao norte e ao ocidente centro geopolítico do velho mundo? Ou vamos deixar que nossos supremacistas e seus estados de apartheids entre os povos nos arrastem para mais conflitos e destruição?

O supremacismo dos povos contra os povos, de gene contras gene, de classes contra classe, e da nossa espécies contra todas as outras de vida nos levará a morte materialista. A preconcepção dos seres como recursos e objetos que nos leva ignorar os direitos de todos aos meios virais e ambientais é a raiz do mal da nossa desumanização milenar. Ou esquecemos as fronteiras imaginárias e passamos a nos respeitar de fato como seres humanos dotados de direitos universais e naturais, ou amargaremos senão a morte do Planeta a morte da humanidade como sonho cosmopolita.

Não vivemos uma luta ideológica, vivemos uma luta libertária, uma demanda para que o paradigma de uma nova geração também tenha um lugar e tempo livre no mundo de hoje. Isto não é luta de uma classe, isto é uma luta de libertária. Renda básica não é apenas uma questão de ordem e direito, é uma questão revolucionária clássica de fundação de contratos sociais legítimos. Portanto, há que se ter coragem, há que se ter responsabilidade, há que se ter livre iniciativa. Há que ser contemporâneo de seu tempo e viver a sua própria história.

Há que se praticar o que se prega. Há que viver nos lugares que só se conhece nos livros e, sobretudo há que se fazer o bem que se quer do estado e da sociedade antes de tudo com suas próprias mãos e recursos. Porque quem nunca conhecer o que é a miséria nem praticar a liberdade, jamais saberá o porquê de uma renda básica, não saberá, não quererá saber e terá raiva de quem sabe.

Há, portanto que se entender que se há pessoas destituídas de direitos então há gente ganhando com a servidão. Onde há privação de direitos e liberdades fundamentais, há brancos e negros. E meu amigo, se você não é dono do mundo, se você não é filho do dono. Então não importa a cor da sua pele, sua gene, descendência ou o lugar de onde você veio ou nasceu. Você, assim como eu é Negro. Não importa o quão branco você pense ou pareça ser pode ter certeza não é o suficiente.

Da minha parte não tenho a menor dúvida do que sou e do que quero ser. Por mais branco que um racista desavisado (branco ou negro) ache que eu seja eu sou negro de corpo, vida e alma. Posso até ter nascido e ter sido criado para ser branco, mas me orgulho profundamente de ter me voluntaria e conscientemente me tornado negro, latino e americano — e ainda por cima brasileiro no sentido pejorativo que os moralistas, nacionalistas e racistas adoram dar a essa palavra.

Assim como há libertário verdadeiro que não seja defensor da libertação e abolição da exploração do homem, não há libertário que se diga conhecedor da necessidade da liberdade sem se identificar com a condição negra, e que mesmo sendo gringo não deserte para as trincheiras dos não-brancos, dos não-supremacistas, dos não-violentos.

Mas eu não sou gringo. “Se achar” um legítimo branco nascido brasileiro e latino-americano só porque não tem a pele negra, não nasceu na favela ou não é pobre nem miserável é ser um completo imbecil quanto a sua identidade. É como o membro de gangue neonazista suburbano, brasileiro e afro-descentende, no mínimo um completo ignorante do que é seus “irmãos de ideologia” nos países ao norte do equador pensam dele.

Sim sou negro. Um dissidente e exilado político dentro do meu próprio país. E negros, refugiados, exilados, marginalizados latino americanos, africanos pobres do mundo inteiro não ganham liberdades nem independência de presente dos seus governos de esquerda nem muito menos de direita eles a conquistam juntos e em solidariedade no mínimo contra a falta de vontade politica deles.

Não? Você não como eu, você não se acha negro. Não? Você é branco, ocidental, caucasiano, estudante e estudioso, trabalhador e empresário, homem de berço e família. Ok. Quem sou eu para discordar? Acredito que cada um deveria poder definir livremente sua própria identidade, mas não se esqueça de perguntar aos 0,1% de supremacistas do mundo se eles também concordam, ou se pelo menos eles te acham tão brancos quanto eles. É só por garantia mesmo. Afinal, vai que…

Cada vez mais a questão da falta de um Renda Básica no Brasil e no Mundo me lembra nitidamente cada vez não o poema “No caminho, com Maiakovski” de Alves da Costa. escrito no final da década de 60, em plena ditadura militar e que retornou a ser lido em 84 nas campanhas da “Diretas Já” :

“Na primeira noite eles se aproximam/e roubam uma flor do nosso jardim/E não dizemos nada/Na segunda noite, já não se escondem:/pisam as flores,matam nosso cão,e não dizemos nada./Até que um dia,/o mais frágil deles/entra sozinho em nossa casa,rouba-nos a luz, /e,conhecendo nosso medo,/arranca-nos a voz da garganta./E já não podemos dizer nada.” (Alves da Costa) -Trecho do Artigo Renda Básica e os Refugiados no Brasil

Utopia?É lógico que é…Mas é COLOCANDO O IMPOSSÍVEL NO MAPA-MUNDI QUE SE “DESCOBRE”, SE CONSTRÓI O NOVO MUNDO.

Gringo incluso o brasileiro gringo na sua própria terra, “descobre”. Povo que é povo se inventa, como não como muro e eugenia, mas como polis cosmos, sem fronteiras e descriminação. Não conquista. Abraça o mundo. Uma arte, ciência e consciência popular que estão perdendo antes de aprender com nosso povo como ensinar porque simplesmente estamos genocidando ele para copiar o método tradicional de reprodução da cultural das civilizacional: a colonização dos povos eugenistas para capitalização dos herdeiros via genocídio dos parasitados. Processo que se reproduz internamente em planos de segregação degenerando desempática e psicopaticamente a consciência coletiva de uma humanidade em favor da formação de ensimesmamento cada vez mais fechados, violentos, tribais, territorialistas, primitivos, temorosos, consanguíneos,mitomaníacos, hierárquicos, machistas, patriarcais. Enfim…

Vamos, de Cio da Terra, mas com Pena Branca e Xavantinho, o original… porque é no povo, e não na copia gringa nem burguesa que está a resposta da ciência consciência verdade que liberta e agrega que falta ao Brasil, do Brasil para o Mundo. Porque quem acha que esse povo como todos os povos e pessoas que não estão nos palco, palanques e púlpitos do mundo, tem que ser doutrinado por gringo e seus idiocratas e não ensinar dos servoidiotas é o mor:

Vai lá, pega seu dinheiro, porque toda a riqueza brotou por geração espontânea da sapiência dos todos poderosos. E aproveita e paga também o Sol porque nada para você veio de graça

Written by

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store