Toda essa loucura está te deixando maluco? Resista: Porque essa é a intenção da técnica

Muita calma nessa hora. Porque a loucura não só tem método, ela é estratégia de manobra de massa na guerra da informação

Você acha que tudo que está acontecendo no mundo uma grande loucura?

Você não entende exatamente o que está acontecendo com o mundo e as pessoas, mas sabe, que isso é uma insanidade? Insanidade só não. Monstruosidade. Uma monstruosidade com a qual você não se conforma, nem muito menos quer tomar parte. Uma loucura monstruosa que quanto mais você se afasta mais ela avança e te engole. É assim que você se sente?

Você se sente cercado, preso na sua própria casa? Vigiado e perseguido por seguidores fanáticos ensandecidos e suas lideranças e gurus prontos a lançá-los contra você, se você não ficar escondido dentro de casa, de boca calada, dizer amém, e não rezar a cartilhas deles?

Mas qual cartilha? Qual cartilha? Afinal eles estão em guerra. A socialista ou neoliberal? A conservadora ou a progressista? A dos gringos ou nacionalistas? A dos ambientalistas ou desenvolvimentistas? Nós a dos stalin-lulistas ou nazi-bolsonaristas? E eles a dos russos-chineses ou dos anglo-americanos?

E você mesmo não querendo seguir nenhuma delas, também sabe que com eles, não quer com eles. É doutrina Bush. E quem não está com eles, está contra eles. Eles ditam e você decora e subscreve aí de quem não seguir e repetir o ditado e o ditador, ou não souber nem sub-escrever…

Você não se conforma nem com os extremistas de direita nem os de esquerda, nem com os bandidos que nunca saem do centro do poder, seja no palco, ou por trás das cortinas da representação, ou desse teatro das representação que estão fazendo com o mundo e as pessoas?

Você nunca quis ditar como os outros deveriam viver. Você só queria viver em paz e deixar as pessoas viver em paz. Nunca fez mal a ninguém. Pelo contrário, trabalhava e até ajudava muita gente de graça, onde gente que cobrava ou ganhava para fazer o seu trabalho não fazia. E agora, a esquerda direita, eles vem em hordas prontos para tomar o poder e atirar no seu peito ou suas costas, matar queimar tudo para tomar, manter o poder, controlar sua vida, a vida dos seus filhos e pilhar seu trabalho e posses que restam.

Você ainda não pirou, mas não está mais aguentando viver nessa loucura. Tem vontade de desistir de tudo? Fugir? Deixar quieto? Não dá mais? Quer cuidar da sua vida, está disposto a abandonar tudo que é seu, sua casa e ir para outro lugar. Quem tem o direito de julgá-lo? Quem tem o direito de julgar alguém que quer só viver em paz? Mas o mundo já não é mais o mesmo e não existe mais um outro lugar, um outro mundo onde você e eles possa viver em paz, não para você.

E você que não enlouqueceu ou até adoeceu e já começa a duvidar da sua própria sanidade, começa a pensar se não era melhor entrar nesse surto, nessa dança doentia compulsiva psicótica-psicopática da morte. Deixar-se levar-se por essa epidemia, por esse delírio coletivo.

Você simplesmente não consegue nem quer se conformar com tamanha idiotice, fanatismo, a loucura, que explode em violência e repressão que tem tornado cada dia mais perigosa, mas os partidos políticos, ideólogos e lideranças politicas e religiosas? Não consegue e não quer se render a loucura daqueles que não param de semear o terrorismo, incluso o estatal, semear a discórdia e dividir famílias, sociedades, povos e jogar todos contra todos para reinar numa terra de cegos fanáticos nisto que estamos vivendo e vivenciando?

Mas o que estamos vivenciando?

A guerra de propaganda e desinformação. Em diversos níveis. Domésticos e internacionais. Onde todos os players apelam para as mesmas técnicas para manobrar as massas para obter o controle dos recursos tanto das matérias primas quanto das populações que precisam dentro e fora dos seus territórios para manter a hegemonia das suas corporações nacionais e transnacionais. De modo que é uma guerra psicológica onde as pessoas são bombardeadas não por um governo, ou companhia privada de mídia, domestica ou internacional com informação, desinformação e contrainformação, falsa, verdadeira, meia-verdades, verdades, cortinas de fumaça, terrorismo estatal, midiático, propaganda do terror, feita para paralisar, alucinar, fidelizar, dividir, enfim técnicas de marketing, guerra, tortura, aplicada não a psicologia de massas, feita para manobrá-las, atacando simultaneamente a pregação ou programação alheia, quanto introjetando sua própria agenda ou programação.

É como se o sistema operacional de uma pessoa estivesse hackeada e invadida não por um vírus cavalos de tróia tentando tomar o controle da sua consciência mas por vários hackers e centenas de vírus ao mesmo tempo, todos tentando não só extrair todos seus dados, mas ao implantar a sua programação ideologia e fazer responder aos seus comandos, que são conflitantes, mostrando realidades confusas e difusas, desconstruindo e atacando memórias, visões, certezas, lógicas. Derretendo. Uma cabeças das pessoas cujo sistema operacional condicional a operar via estímulos e respostas dos programadores, ou seja ordens alheias, ao receber atualizações completamente conflitantes viram verdadeiros windows 10. Além de serem atualizados sem querer sê-lo. Dão pau. E dar pau, quando se trata de gente com diferentes programas ou funções existenciais, traumas e memórias enterradas, pode ser extremamente perigosos não só para ela, mas para todos que estão próximos dela.

Porque a mente subconsciente de uma pessoa alienada não é composta só de instintos sublimados, mas de neuroses, de psicoses e pior compulsões psicopáticas, que geram os surtos desses loucos que marchar para matar sem o menor remorso, provocando genocídios. As pessoas chamam isso de monstruosidade. Deveriam chamar pelo nome correto: surtos de psicopatia coletiva. Um surto que toda sociedade e cultura está vulnerável na exata medida que cultiva a frieza e a falta de solidariedade e a falta de empatia, ou a violência como um traço de personalidade a ser celebrado ou canalizado como função produtiva para a cultura e riqueza dessa civilização. Porque quem planta e cultiva psicopatas e psicose colhe surtos genocídios. E se não é seu modelo de capitalização e progresso, o holocausto. Então é tempo de investir no capital como vida. Porque o problema não é o capitalismo, mas o necrocapitalismo: o capitalismo que se reproduz matando e roubando terras e vidas e riquezas, e não produzindo subsidiado pela violência. E não pelos acordos de paz, ou o que é a mesma coisa de proteção da liberdade e consensualidade de todas as partes.

Porque se um e tão somente um ser humano não tiver meios para negociar como uma pessoa livre ela ou sua propriedade será roubada pelo outro. E esse como ladrão ou tirano, agora não jogará mais com os demais como alguém que enriqueceu produzindo riqueza, mas como um latrocida, uma vantagem que vai se ampliando e esmagando a todos, um a um reiteradamente, pelo simples fato que um dia, um predador parasita encontrou um outro ser humano em carestia em condição de vulnerabilidade para competir com os demais não são canibais necrófilos nem escravagistas. E dá-lhe guerra, para frear, esses monstros, quanto eles não tem poucos recursos, mas trilhões feito do roubo e de coitados que não tinham outra opção senão se rendem a tirania.

A velha guerra por mentes e corações. Porém dentro de uma nova era: a da (des)informação. Ou seja uma nova era feita não só com novas máquinas, técnicas e tecnologias mais avançadas e automatizadas de propagação da (des)informação, mas na qual o objeto da guerra é a própria informação como capital.

A informação sempre foi arma e também capital. Porém nas outras guerras subsequentes as revoluções industriais e rearranjos geopolíticos e econômicos que redefiniram as fronteiras e exterminaram e extinguiram e escravizaram povos e nações inteiras nesses processos e guerras mundiais para reduzi-los a matérias-primas e meios-de-produção capitais, alguns até as cinzas, inclusive gentes em fornos ou fogueiras.

Porém não só como banco de dado e metadados, propriedade intelectual, tecnologia, recursos raros para a construção de aparelhos de processamento e computação de dados, mas sobretudo de produção da informação como o capital dessa nova revolução industrial: a própria informação, enquanto capital. Em todas as fases do seu processo revolucionário de produção que não está mais dentro do antigo paradigma da ciência da informação, nem sequer da física.

O futuro só começou. E quem sobreviver verá.

O conhecimento, sempre fonte elementar para o poder e portanto supremacia não só armada, mas para a constituição não só das armas, mas das suas armadas. A guerras na era da informação, a luta pela supremacia na era do capital info-financeiro não é só um jogo de guerra pelo controle dos meios de produção reprodução desse capital. Um jogo onde a disputa e ocupação dos territórios onde novos recursos minerais raros necessários a produção agora dos componentes dessas novas armas informáticas vão derrubar regimes, dividir nações, genocidar povos inteiros e redesenhar as fronteiras do mapa-mundi para que os proprietários necro-canibais das máquinas privado-estatais possam se reinventar e continuar se alimentando dos Planetas e seres viventes incluso seus semelhantes. É um jogo para controlar pela supremacia da informação não como coisa.

Então não. Não caia nessa armadilha. Não há nada de errado. Com você. Esse desejo de autodestruição. A apatia, a angustia, até mesmo o desejo de morrer, ou mesmo se matar ou morrer, aos poucos ou de uma vez por todas. Ou até mesmo matar. Todos esses sentimentos que emergem, nesse estado são reações absolutamente naturais de quem está lutando contra uma condição monstruosa que tenta destruir sua humanidade, tenta converte-lo fideliza-lo para capitaliza-lo em seus exercícios, recursos humanos, consumidor, militante, milicia, macaco de auditório, torcedor organizado, cão de guarda, gado de abate, boca nervosa, besta de carga, idiota imbecilizado, coitado e coitador, morto-vivo, futuro cadáver e cadaverzinhos a serem sacrificados para o lucro politico e econômico deles, os ditadores das genes que são os filhos de deus, os herdeiros da terras e da Terra que você, vai trabalhar e guardar para eles e os filhos deles.

Porque o sofrimento que você sente agora é o produto da resistência. É exatamente o que você está sentindo agora, tentar manter a lucidez, a sanidade em meio a um processo de destruição do seu chão, céu, da sua personalidade, dos seus valores, dos suas esperanças, seus valores, o nome disso seja feito com uma pessoa trancada numa cela sozinha, num campo de concentração, num gheto ou território o nome disso é tortura, uma técnica.

O terrorismo seja ele o anti-estatal, ou o praticado pelo próprio estado, ele é e tem o mesmo efeito, e como simbiose fazem parte de e servem, conscientemente ou não a mesma cultura, culto e senhor a da Discórdia e da Guerra e Tirania. E não o Concórdia e da Paz. Estão a disputar quem vai governar e reinar como tirano sobre as terras arrasadas, os povos escravizados e quem vai ficar com o poder e o butim dos cadáveres.

E você já percebeu que não existe, religião, partido, governo, não existe um lado certo, nem errado, que todos estão mentindo. Que todos que se dizem santos, em verdade são canalhas. Mas isso não é motivo para desespero. Porque isso só quer dizer, que em todas as fileiras que em todas as bandeiras, que entre todas as ideologias que até mesmo, entre anarquistas, ou mesmo generais, há pessoas que dão valor ao que realmente importa, ou seja, que não são as ideologias, não são as palavras vazias, mas o que elas representam: as pessoas. Estamos no ponto de mutação onde nenhuma das velhas ideologias ou termos explica o que realmente importa. O que realmente vale. A vida. A vida que não é uma ideia.

A esquerda totalitária quando não acusa reclama que quem não se alinha com ela, é traidora, é fascista. A direita idem quem não idolatra seu monstro de estimação é comunista. O roteiro do filme é o mesmo e o final idem. Ambos reclamam dos tais dos isentões. E só tem razão numa coisa. Você que não é obrigado a estar enfileirado em nenhuma trincheira nessa guerra da informação. Mas saiba que as primeiras vítimas são sempre os inocentes, porque eles são atacados por ambos os lados criminosos de guerra, e criminosos antes da guerra, no caso da informação começar. Não existe portanto isenção, nem neutralidade. Os ditos neutros, são em verdade os que bancam, os banqueiros que financiam os dois lados da guerra, e que portanto de neutros não tem nada, são a favor que todos se matem, menos eles e depositem os espólios nos seus cofres. Os neutros de verdade, quando não são vítimas do genocídio, a fonte do capital como pessoa proprietário expropriada da sua identidade, posses, liberdade corpo ou vida, as vezes até a carne queimada dos seus ossos e da sua gene como prole, ou seja da herança na terra não só como patrimônio financeiro, mas cultural, étnico e genético.

Esses quanto não tomam consciência que estão a ser atacados não só em uma frente, mas pelas costas e flancos, a esquerda e direita, e inclusive por dentro, por submarinos, por gente infiltrada que se passa por amigo mas irá cravar um punhal nas suas costas, se não perceber que está a ser atacada, não só por todos os lados, mas de cima para baixo, e principalmente não só de fora para dentro, mas de dentro para fora, não só por integrantes do seu movimentos sociais. Mas por pensamentos podres, uma educação imbecilizante e traumatizante que como programação, nos momentos mais difíceis como uma gatilhos dispara as respostas condicionadas mais idiotas e imbecis que interessa não a sua vida e interesses, mas justamente a quem passou mais de 20 anos trabalhando com apitos e relógios para que você não fosse mais que um objeto de emprego alheio um recurso cujo valor é valia é determinado e logo função existencial e social é determinado justamente por essa empregabilidade alheia e não pelo que você é.

Olhe para os velhos e velhas que deram sua vida trabalhando. O que acontece com eles quando perdem sua valia sua função social. Quando já não serve mais para reproduzir a riqueza alheia. O que acontecendo com eles, agora que sua expectativa de vida aumentou, mas o Estado devorou sua contribuição por sinal compulsória para sustentar sua sobrevida? O que acontece quando uma vez sugado sua vitalidade ele perde sua capacidade de reproduzir a riqueza alheia? O mesmo de quem nunca teve capacidade nenhuma para produzi-la ou reproduzi-la, quem não tem trabalha não come, salvo o dono do capital e quem garante que as coisas sejam assim, o Estado.

Não adianta. Dizer que este lado ou aquele não é o seu. Você pode não ter declarado guerra a ninguém. Ao dizer que não compartilha dos valores dessa gente. Mas quando você diz para um louco fanático que discorda dele, quando você discorda de uma pessoa com mania de controle que quer que você vista o chapéu que ela quer que você use, ou de bom dia para o seu amigo ou coroa imaginária, dizer não, é na cabeça delas uma agressão. Leia. Eles consideram palavras agressões e ofensas iguais a um soco na cara. E quem toma uma palavra, uma obra, um espetáculo, a mera visão de uma pessoa, os dizeres, as roupas, ou falta delas, como uma agressão, a sua sensibilidade aos seus olhos, ouvidos, ao seu reino absoluto. E não se engane quem acha, finge que acha ou realmente sofre, sente com ou toma dores suas entidades imaginárias, e as agressões subjetivas como algo tão concreto e objetivo quanto um tiro.

Gente que acha que símbolos, e ideais podem ser punidas na carne com carcere ou porrada seja por vias legais ou ilegais, seja batendo ou prendendo. Pois não se engane o estado não é senão o monopólio legal da porrada e carcere e o cagar das regrinhas. E por isso que eles estão se matando e matando gente para tomar esse monopólio. Não não é só pelo butim. É para poder mandar descer o porrete. É para poder ter o direito de roubar, matar e bater não só sem ser punido. Mas mandar prender quem não calar a boca. Parasitas e predadores profissionais.

Notem que não é uma questão de negar os danos que são causados pelo signo, simbolo e informação. A palavra e o conhecimento causa danos e ganhos e danos e ganhos cada vez maiores. Mas o desespero do politicamente correto em apelar para o monopólio da violência, a porrada legalizada para tentar impedir que o ignorante seja menos idiota, já é em si não só a derrota da subversão do sistema, mas a armadilha de um sistema que se apropriou da subversão antissistêmica mas está pronta para devorar os subversivos, mas como novamente dividiu conquistou e externalizou custos: quem caça patrulha o revolucionário, o reacionário é o que se julga o progresso. E o que de fato é reacionário se apropria, se recicla e se vende como museu de falsa novidades, e não só como uma embalagem, mas pobre e mofada e envenenada por dentro.

Cada vez mais a arte de manipulação do simbólico, o conhecimento, o domínio do uso dos signos, da comunicação, especialmente não só no plano ideológico, a demagogia primitiva e rasteira, mas no plano da psicologia de massas como ciência inclusive da computação quântica irá dominar o século XXI das grandes megapotências e megacorporações totalitárias transnacionais. E enquanto isso, enquanto o Brasil e a America Latina, se volta para o papismo, o crentismo, o crentinismo, o sebastianismo, o caudilhismo, o feudalismo, o escravagismo.

Enquanto o mundo desenvolvido já está não mais em corrida espacial e supremacia da computação quantica. Enquanto a era digital está prestes a morrer. Enquanto as grandes potenciais se lançam sobre todos os Planeta e já olham para outros planetas em busca de meios ambientes e vitais e recursos raros e estratégicos para alimentar suas novas máquinas inteligentes do futuro, o Brasil emburrece e volta ao passado. E grita como um bando de fanáticos islamizados: Alá é grande, alá é grande…

O que você acha que vai acontecer com a America Latina no século XXI? A gente com essa cabecinha plana e medieval, eles com com computadores quânticos roubando e processando não só nossos dados, mas os metadados?

O nome disso é Africanização. Eles estão vindo com um canhão e hipocrisia, nós caindo no papo dos lobos e sendo arrebanhadas como gado para o abate.

Caraio, Ninguém aprendeu ainda como funciona esse jogo? Adam Smith. Capitalismo. Esse padeiro não faz pão para alimentar ninguém. Ele faz pão, para ganhar e encher o cu de dinheiro. E foda-se.

Entorpecem como drogas. Ideologia. Religião, cocaína, pinga, celular, puteiro, futebol. Distração. Imbecilização na veia. Deus, salvadores da pátria, missionários, gadgets… espelhinho… promessas de paz, ajuda… blá, blá, blá, jesuitas. E depois passam a fio de espada, ou deixam morrer de fome ou doença. Levantam muros, poem guardas. E quem tá dentro não sai, e quem fora não entra e nem fica sabendo o que acontece. Bolhas. É faca na caveira. Nem parece que a gente não é descendente de quem somos, europeus. E que a gente não continue praticando isso.

Em que planeta você vive. Em que mundo você vive. Você vai salvar o mundo passeando de barco com a menina do Acre da Suécia e o exterminador do Futuro o ex-governador da Califórnia que a propósito pega fogo, e ninguém chamou o superhomem, o ubermachen francês Macron.

E por falar em Superhomem cadê o o SuperMoro?Deve estar lambendo a bunda suja de alguém. Quem será?

E a proposito sabe como é que se combate um genocídio hoje? Reconhecendo o genocídio… de um século atrás…

A guerra da informação não é só no plano ideológico. Ideologia é demagogia. É papo de idiocrata para imbecilizar idiotas. A guerra da informação, se faz no plano metafisico, no plano da arquitetura, engenharia e reengenharia de produção dos metadados e metainformações. Uma indústria do conhecimento que hoje, no outro mundo o desenvolvimento não é produto de técnica artesanal manufaturada ou filosobolada por marqueteiros, ideólogos, exorcistas, astrólogos, tecnocratas, acadêmicos de rabo preso, mas fabricada em massa usando métodos científicos processados por algorítimos de inteligencia artificiais hoje em redes neurais digitais, em breve quânticos.

E o serviço de inteligencia que gaste 4 bilhões com a palhaçada das eleições e sabe-se lá quanto para grampear politico sabidamente bandido, e não na porra de um satélite no litoral. Brasil é isso. Governo preocupado em como vai reprimir a população que vai sustentar bandido. Mas Marinha com grana na mão para defender e proteger o litoral…Foda-se. E dá-lhe todo mundo contaminado, especial o Nordeste e o nordestino. Eu quero é mais é que o povo do nordeste me mande tomar no cu, e me chame de um corno filho da puta. Porque é isso que nós somos. Um bando de racistas, que fode e ainda não querem regular até o xingamento do alheio. É como o funk. Isso não se faz, com ninguém, nem com o pior inimigo, que dirá com seus irmãos. E quem nesse mundo não é nosso irmão? Quem cara-pálida?

Aí não é questão de ser libertário ou autoritário, ambientalista, ou humanista. Anarquista, legalista, é não ser um retardado mental. O que aconteceu no litoral do Nordeste e ninguém saiu histérico para gritar como a Amazônia, porque ninguém puxou os cordões. E o próprio governo ficou quietinho. E tão sério quanto os outros crimes ambientais, porque seja imcompetência e falta de ação interna, seja ação externa, ou ambas. Acidente natural é que não é.

Já não há mais palavras. Ideias para expressar o processo de desumanização de violência e violação que afeta as pessoas. Porque pessoas e não ideias é o que importa. Não em números. Mas em vida, uma ou milhão. E quem dúvida disto. Que entregue a sua vida ou a dos seus filhos para salvar uma bandeira, o seu mito, e pare de matar e estuprar a dos outros. Se sacrifique, vá fazer o seu neoliberalismo, o seu socialismo, o seu cristianismo, o seus islamismo no seu cu, e não no cu dos outros. Faça o que você quer com você, e deixe os outros fazerem o que eles querem com a vida deles. E se quiser fazer o que algo por alguém. Dê o que eles pedem. E não o que você quer dar ou acha que eles quer. Porque o que você gostaria de receber não é o que outro pode querer. Para de achar que sabe mais da vida do outro do que ele mesmo. Porque sempre tem alguém que acha que sabe mais do que você. E quando for você a pedir pão, e ganhar uma pedrada ou soco na cara. Aí não reclame, porque agora é o outro que agora decide o que é melhor para você, porque você agora é o servo, e ele o senhor, ele agora é técnico e você a cobaia. Porque ele tem o poder e autoridade, ele é líder e juiz e você é só um mero cidadão comum, que não sabe o que é melhor para você. Um idiota que precisa ser tutelado e governado por que sabe: ele seu idiocrata, seu mestre de estimação.

E não se esqueça depois ainda peça para o papa canonizar seu mestre, porque ele é um santo.

Veja como é simples. Pare de cuidar da vida alheia. Não importa quem seja. Não preciso nem saber quem está fazendo o que, duas pessoas se beijando na rua. Daqui há 10.000 anos uma pessoa humana outra marciana. Existam 1 só sexo, ou 3000 sexos, ou nenhum. Porque até na cristologia para dummyies, isso já foi explicado e está escrito até na bíblia: no céu não existem sexos, só anjos. Em breve, com a manipulação genética, vamos ter gente vivendo num paraíso, e outros vivendo no inferno do ghetos dos holocausto urbanos, fornecendo não só seus metadados, mas seu corpo, seus órgãos e sua gene, sua prole sua diversidade genética, como cobaias. Em breve? Meu amigos trafico de órgão é coisa do passado. Estamos no século XXI, hoje já tem bebê desaparecendo e a dúvida é se esse foi queimado em forno, ou pro lixo de empresas como nomes mais sugestivo impossível: “Resíduo Zero Ambiental”.

Adivinha quem era o resíduo ambiental reciclado como lixo, por engano?

Mas enquanto isso, os nazi-cristão pro-vida estão lá, dando mata-leão em mulheres que sofreram estupros coletivos:

Essa era a porra do Brasil do futuro que o alemão tinha enxergado aqui. E que agora estão sendo destruído e depredado junto com nossas riquezas naturais? Essa é a natureza do nosso povo, da nossa cultura que está sendo destruída pelo neocolonialismo. Enquanto exportamos nossas riquezas naturadas vamos importando todo o lixo cultural da esquerda e direita ultra-ultrapassada. Enquanto vamos perdendo toda a nossa riqueza, inclusive aquela que não é a mera multicultural, o protótipo do que seria o futuro das novas nações, a riqueza cosmopolítica: os verdadeiros estados de paz. E de não de pax romana.

Estamos literalmente nos matando. Estamos matando o Brasil do Futuro. Abraçando múmias e monstros e monstruosidades mais primitivas estupidas e arcaicas do passado. Estamos caminhando não só para uma idiocracia. Mas para uma idiocratura: uma ditadura dos idiotas para idiotas. E não importa se a direita ou esquerda. Porque caso ninguém tenha percebido trocam-se os salvadores da pátria, a imbecilização e locupletação e tirania e corrupção só cresce sempre botando um a culpa no outro, com os santos e heróis virando os super-vilões e fazendo pacto com os mesmos capetas de sempre incluso da oposição e centrão.

Mas o que aconteceu? Importamos não só modelos de “desenvolvimento” russo e americano, mas a briga deles e não saímos dela. E com um detalhe: sem ser uma potencia armada nem econômica. Não que o Brasil fosse grande coisa. O Brasil não era nem nunca foi uma potencia. Tinha e talvez ainda tenha o potencial. O que é completamente distinto. Potencial natural, e sobretudo de uma mentalidade distinta como povo. Porque como governo, sempre foi o que é uma província, provinciana. Uma colonia vendida traficante de terras e gentes e riquezas tanto as legais quanto as ilegais, por seus portos para as metrópoles que pagarem mais. Uma elite de traficantes da sua própria nação. As ditas oligarquias tanto as nordestinas quanto as sudestinas, outrora expostas nos nas cortes do Rio de Janeiro, hoje encasteladas nos palácios da cidade-Estado buro-tecnocratica de Brasilia.

Cidade planejada por marxista convicto bancada com capitalistas mais convictos ainda no endividamento dos países subdesenvolvidos: um monumento e prova contábil e empírica de como socialismo e capitalismo, o estadismo e estatismo, que o privatizador estatal, o socialista estatizador, que a mão invisível do mercado e o punho de ferro estatal, como diria Kevin Carson lavam uma a outra, pilhando o capital e trabalho alheio. Se desenvolvido dos outros povos, se não, do seu mesmo.

Inclusive quando vão a guerra em algum país periférico, matando seja com bombas ou sanções as populações, mercenários, terroristas e tropas regulares inclusive do próprio pais. Ambos pilhando cada um do seu lado, o teatro de operações e tentando impor e sustentar no poder o seu respectivo fantoche como tirano. Não importa qual seja a potencia. Não importa, a ideologia. Esqueçam essa bobagem. Isso é coisa para otário. Na hora H. É vala.

Vejam os curdos. Vejam os sírios. Quem não é branco, nesse mundo não tem território. E latino não é caucasiano, não para os padrões eugenistas da divisão internacional do trabalho e capital e consequentemente do herança do patrimônio mundial do tal do bem comum ambiental ainda de pé como floresta, nem já queimado para produzir e reproduzir o capital que faz girar essa máquina.

O ataques simbólicos se tornarão muito mais poderosos, mas não no plano ideológico, das projeção e propagação das ideias visíveis, mas no plano semiológico da introjeção disseminação dos ideários invisíveis, os metainformação, onde a desinformação, a ideologia, a hipocrisia com demagogia racionalizada com negação do ethos e da praxis da episteme e da semiótica da autodeterminação em favor do paradigma da predeterminação e predestinação dos povos aos caprichos e taras dos todos poderosos, os ditadores das propriedades, apropriações e expropriações incluso das próprias identidades dos sujeitos como sujeitos com direito de conceber a suas próprias identidade e propriedade particular e comum em liberdade de consciência e livres associações de pensamento e comunhão de paz na realidade sensível e con-sensual. Porque sem CON-Sensualidade não a Liber, não a Liberdade como Fenômeno concreto. Mas taras e tarados correndo com suas bandeiras e tochas loucos para submeter e violentar as pessoas para realizar sua fantasias com entidades imaginárias e atos monstruosos. Loucos para literalmente tomarem conta de você.

Written by

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store