Quem é quem no “nós contra eles” nos Direitos Humanos?

Um resumo da crítica a Ideologia suas guerras e seus agentes provocadores

A ideologia mata a capacidade do agente da transformação social não apenas de receber criticas, de efetuar a autocritica, estabelecendo essa relação desconstrutiva que preconcebe e prejulga tudo e todos como perseguidores dos suas mesmos objetivos de prevalência e conhecimento como instrumento para o poder.

A ideologia é uma arma que os dois lados do jogo populista usam para manter se manter em perpetua disputa pelo poder, ou o que é a mesma coisa, coagir as pessoas a aderir ao seu jogo de divisões de classes, que existem de fato sobretudo porque interessas as duas partes que monopolizam os classificados se manterem dentro delas.

Impede que se construa mínimos denominadores comuns que podem unir a população, porque a união da população em torno de prática livres dos seus discursos (e práticas!) segregatórias implica a queda do prêmio que disputam contra a exclusão dos alienados: o poder.

Exclamam que tudo é ideologia. Que tudo é relativo! Ou que pior que somente a sua perspectiva é absoluta. Exclamam até mesmo que a relativização de todos os valores é o novo absoluto. Como podem então defender a universalidade? Como podem conceber que há ideias e ideais universais que passam ao largo do seu discurso e correspondem a sensibilidade particular de todas as pessoas conheçam elas suas doutrinas socialistas ou capitalistas?

Não é porque tudo possa ser apropriado pela ideologias que todo conhecimento e projeção da realidade seja ideológica. É isso que as experiências de vida ou de garantia de direitos universais a vida e liberdade demonstram a quem as experimenta de fato: a valores que não são construídos a partir da leitura de mundo dos ideólogos. Mas até mesmo a sua visão de mundo que falsifica como representação essas singularidades reveladoras do universais carecem como essência de realidade para fazerem o minimo de sentido seja como discurso seja como significação para vida.(…)

A ideologia é a troca de ideias como guerra pelo conhecimento. O conhecimento como poder e a linguagem como ferramenta de dominação tanto dos territórios do saber quanto os geopolíticos pela provocação da desinteligência e desentendimento tanto forjado quanto autêntico quando o próprio ideólogo não usa mais o discurso ideológico como seu projeto de poder, mas passa a ser usado por esse projeto de poder como um troll um hater um idolatra desse poder como se fosse a correspondência a representação do ideal.

Em suma um doido, e dizem que doidos não podemos contrariar. Mas também não podemos deixar que eles espalharem a roda, ou puxarem a gente para o seu balde de caranguejos.

Pois então que fique bem claro. Renda Básica, Democracia, Redes, Direitos Humanos não são projeto de esquerda nem de direita. Para quem está aberto ao diálogo critico-construtivo é denominador comum para vivermos livres e paz sem trincheiras e guerras politicas, econômicas e ideológicas e seus populistas e demagogos de plantão.

Agora é preciso que a sociedade se aproprie do que é domínio público, porque onde houver brecha onde houver falta de solidariedade voluntária. Não adianta chorar eles vão se instalar.

Logo não tomem essa critica como uma critica ao outro. Tomem como uma autocritica a nós mesmos. Porque continuamos a deixar os ideais mais caros e fundamentais da humanidade a mercê de seus apropriadores e renegadores?

Porque ainda assistimos a garantia dos direitos como se fosse um espetáculo de benesses liberais ou socialistas? Porque permitimos que quem vive de contrabandear seus interesses particulares para dentro do nosso bem comum nos governem?

Eles tem a resposta na ponta da linguá. Está lá na cartilha ideológica da esquerda e direita. Estão prontos para fazer dos seus ídolos os salvador da pátria e grande lideres da nação porque quer queira ou não, saiba ou não, você precisa deles. E como não sabe disso, como não sabem o que quer, mas eles sabem, eles claro estão dispostos a te forçar a fazer o que você não sabe o quer e precisa.

A lógica por trás das ideologia é a da objetivação do outro como mero hospedeiro e replicador da sua visão mundo. É a violência simbólica que enseja e sustenta as falsas prerrogativa de legitimidade do monopólio da violência de fato. Ceder a essa lógica perversa ou cair nas armadilhas do conflito é exatamente a mesma coisa que tentar deter o violento com violência. Calar-se é o mesmo que suportar a sua violação sem se defender. Um ciclo interminável de destruição que mantém a todos onde interessa ao ideólogos e seus demagogos: todos presos dentro desse apartheid mental.

Nossas ações nos conectam com o mundo e dão-lhe nexo. Mas nossa ações como signos, gestos ou palavras repletadas de significados nos conectam uns aos outros. O símbolo e os códigos de simbolização, do qual a linguagem é o maior codex de significação do mundo e do homem, são nossos ferramentas mais poderosas de representação do que somos e do que podemos vir a ser em comunhão. São poderosos transmitir sentido a realidade transformando-a ou até mesmo conjurando novas realidades.

Porém assim como pode representar aquilo que não existe com fins de realiza-lo pode também encobrir o que existe, ou até mesmo fantasiar o inexistente como se fosse a representação do real ou até mesmo de outras ideias que correspondiam a ele por denominação. O discurso vazio é uma arma poderosa. mas o discurso atrelado a ação um arma mais poderosa ainda que pode libertar ou dominar, revelar ou alienar.(…)

Muita gente que não é fascista nem racista identifica a defesa dos direitos humanos como uma peça de um programa ideológico da esquerda. E faz porque tanto a velha esquerda faz questão de monopolizar o tema como se humanismo fosse uma propriedade exclusiva sua. Como a direita fascista, diz muito obrigado e estabelece com ela o polo inverso que sustenta ambas como jogo de gato e rato, pregando que direitos humanos só existem para bandido e proteção social para vagabundo.

Superar esses preconceitos não interessa a nenhuma das partes que monopolizam esse não-debate, porque sem esse jogo combinado ambos perdem os seus respectivos gados. Tratar a renda básica e os direitos humanos como os temas verdadeiramente universais que eles são no nome, não interessa a nenhum projeto de poder. Porque sem as cercas e muros embandeirados, eles perdem o controle ideológico da população dominada por essas divisões imbecilizantes.

Desmonopolizar seu debate partidário-ideológico não interessa. Interessa sim deformar seu caráter libertário para enquadra-la nas estruturas autoritárias de poder que é o trono que eles disputam.(…)

A velha direita não interessa nenhum pouco o fim da velha esquerda. Não só porque são cúmplices e a prisão de um inevitavelmente levará ao prisão do outro, se houvesse justiça. Mas porque tem interesses comum que antecedem a seus espoliação agora cada dia mais explicita e legalizada: O poder. Preservar o butim a ser eterna e alternadamente pilhado.

Guardem o que estou dizendo em breve quem será preso, multado e censurado é quem chamar autoridade corrupto de corrupto.

Eles precisam um do outro para fazer seu show. Qualquer vácuo de poder, pode abrir espaço para no sistema para o que todos eles mais temem: o povo empoderado. Com a emancipação do povo, eles não perdem apenas os seus privilégios infinitos e monopólios absolutos sobre a coisa pública. Eles perdem ambos as suas manadas de gado ideológico.

Por isso eles sabem que precisam manter a esfera do poder oscilando entre seus polos para causar a ilusão de mudança, de “alternância de poder”, precisam de inimigos políticos que não apenas estejam no esquema, mas que sejam demagogos minimante competentes para que a população acredite no contrário.

Hoje eles salvando o jogo e se queimam. Amanhã voltam a pregar para a audiência (literalmente) cativa e passam a sacolinha.

Mas hoje é isso que o poder politico e econômico está fazendo exatamente se defendendo como classe político dividindo e jogando o pais na guerra das classes sociais. Estão hoje dividindo a sociedades com suas ideologias para manter seus domínio, tocando seu gado para dentro dos seus cercados, para amanhã voltar a fazer seu jogo de defesa da sua classe que o seu partido nem sequer representa, mas finge representar.

Estão encobrindo os rastros. Queimando arquivos. E destruindo o estado de direito as caras. Tudo para encobrir, a unica grande divisão de classes que existe no Brasil, que não a ideológica entre direita versus esquerda: mas a da falsidade ideológica dos ladrões no poder contra toda a sociedade dividida e alienada em seus cercados ideológicos. Oscilando ao sabor dos mandos e desmandos de um cercado a outro, mas nunca livre.(…)

No Brasil interessa e muito a quem detêm o poder politico e econômico como privilégio manter o debate dos direitos humanos e a sua proteção social dentro dessa velha divisão de classes. Interessa e muito impedir que o debate vá para outro nível, saia da esfera da farsa politica e seus agentes entrem de fato na agenda e esfera do verdadeiro debate popular e democrático. Interessa e muito que a democracia direta e a renda básica universal permaneçam fora das redes, cercadas pelo arcabouço deformador da classe política brasileira sabidamente corrupta e autoritária.

Esse é o golpe. Impedir que a sociedade se aproprie dos seus direitos universais, políticos e econômicos, seus direitos como verdadeiros donos do país e do seu destino não apenas como um fato, mas antes de tudo como um saber. Manter os monopólios e propriedades materiais e imateriais, reduzir ideais e direitos universais a ideologias eternamente acorrentadas as ideologias e lutas de classe sociais. Uma luta que encobre a verdadeira luta de um povo, de uma nação que não é entre eles, mas contra a classe política que não faz outra coisa senão nos apartar e segregar, nos destruir como país livre e solidário.

O humanismo da renda básica não pertence a esse ou aquele grupo partidário e ideológico, não pertence nem mesmo aos libertários. O humanismo não é uma ideologia é um ideal, porque a humanidade e sua defesa não é uma propriedade deste ou daquela classe, mas um direito natural e legitimo de cada pessoa independente dos seus credos, inclusive os políticos. E a maior prova que a renda básica não pertence a esquerda ou direita é o fato dela ser defendida por pensadores de todo espectro ideológico que consideram a vida e a liberdade direitos inalienáveis de todos.

A democracia e os direitos universais como práticas verdadeiras e não ideologias tem uma força para unir e libertar que não podem ser perdidas, não podem ser reduzidas a monopólios e guerras de ideologias e partidos que depois do caos, reconstroem seus feudos sobre as ruínas e dívidas do seu povo.

Direitos universais e democracia não são propriedades exclusivas, quanto mais monopólio de nenhuma ideologia, são ideias e princípios fundamentais.(…)

— resumo dos textos Ideais versus Ideologias e Brasil de Volta ao Passado

O problema não é ter um bando de malucos racistas, pregando o supremacismo. É possível conviver com pessoas cheias de ódio, desde que (e somente se) eles não detenham o poder de fato para transformar suas crenças e ofensas em lei da nova ordem nacional e mundial.(…)

Uma pessoa de paz que seja objeto do ódio ou segregação, pode tolerar ofensas, mas não pode nem deve tolerar a agressão ou ameaça real dela. Porque se uma unica pessoas que já acha que pode usar da violência para impor como as pessoas de paz que dizer de quem acha que pode fazer isso usando todo o poder do monopólio da violência? Se o discurso de ódio já é se configura em ameça quando aqueles que proferem tem a intenção de fato de colocá-las em prática, imagine quando eles tem os meios para fazê-lo. Agora imagine quando eles passa a tem o poder do estado para impor isso como lei.

Porque uma coisa é ser racista, xenófobos e misóginos e ofender as pessoas. Outra já é pregar o usar da força para perseguir, excluir ou eliminar. E uma terceira é tornar essa violência a lei, e a resistência a ela o crime!

Existe portanto o discurso de ódio, a apologia da violência, e a propaganda supremacistas. O trumpismo já entrou nessa quarta fase e o que é pior não mais como propaganda de politicas supremacista, mas como propaganda de de um regime supremacistas que já está no poder de uma nova ordem nacional e mundial! — Trump Daddy: Onde termina a liberdade de expressão e começa a ameaça de agressão?

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.