Primeiro. Obrigado.

Segundo. Encontrar Solução(s) possível(s), por mais improvável que seja, não importa o quão pessimista seja minha visão da atualidade ou previsão de cenários futuros é a razão desse trabalho experimental que tento desenvolver aqui, de forma um tanto quanto confusa, porque elaboro em tempo real, e o fato de você, ter entendido meu escrito, é mérito seu, e não meu.

Logo, infelizmente ainda vai demorar, espero não tanto tempo, até que eu conseguir sair dessa fase mais critica e analítica para conseguir dar essa resposta de uma sintética mais adequada, que não seja um conjunto de termos vazios, consciência, mas que façam referencia a um trabalho no caso teórico, que de fato sejam uma solução concreta de um problema, e não rococó de demagógico ideológico.

Em outras palavras, como um pedreiro, que de fato eu sou. Mas pedreiro daqueles que quando o dono da casa chega e diz. “ e aí, como está a obra?” Ele que ainda não a tem pronta, não enrola, mas confessa o que não está acabado e atrasado. Mas também não se furta de adiantar e mostrar o que já tem pronto.

E uma coisa que posso lhe dizer sobre soluções em geral, que é uma afirmações extensível as verdades de todas as espécies, é que a validade tanto de uma de outra não só tem prazo de validade, como também local. E isso não quer dizer que as verdades ou soluções sejam relativas mas que elas são infinitas, embora efêmeras, tantas quanto o número de pessoas dotadas de livre vontade. De modo que a grande questão não é qual a solução. Porque ao longo da vida. As pessoas não só descobrem uma, mas centenas de soluções não só para seus problemas pessoas, mas para os problemas coletivos locais, e até pasme mundiais, sim não duvido, disto. É como aquela história em cada rua alguém conheceu alguém melhor que o Zico. E não há pessoa no mundo que já não pensou uma numa solução egoista ou solidária que viu depois ela se tornar realidade, o que é bom se ela não for invejosa, mas terrível, depois viu tornar-se um problema monstruoso porque ninguém pensou a tempo e naquele lugar na solução que só ele pensou, mas não tomou resolução de colocar em prática.

Difícil não é descobrir a solução de um problema. Dificil é sabendo tomar a resolução, movimento de resolvê-lo, e não protê-la no tempo ou pior transferi-lo para a conta ou espaço de terceiros. É nessa física que é mais uma ética, porque não trabalha como o movimento de um empurrando e se chocando um com o outro, newtoniana, mas dos seres de movimento a si mesmos pela força da sua própria anima que eu estou trabalhando. Uma physis onde o x da questão não é qual a solução. Mas como produzir o milagre do mover-se por conta própria em direção das suas próprias resoluções.

Agora, há que se ter cuidado. Porque antes de buscar soluções há que não só Algo definir a sua própria problemática, mas em deixar de solução involuntária do mundo alheio. O Brasil hoje é visto como a grande solução do mundo. Solução é sinônimo de presa a predadores. E se tem uma coisa que não há problema nenhum é em não ser solução, mas problema de montão, para quem quer te transformar teu couro em solução como de vestimenta. Diria que esse é o primeiro passo. Parar de ser e comportar como cachorros abandonados. Porque Nelson Rodrigues estava errado não temos cabeça de cães de ruas, não mesmo. Somos é cachorrinhos de madame NA rua. Uns caído da mudança; outros abandonados; uns presos pela carrocinha; outros esperando ainda por velho ou novo dono; outros uivando; alguns bando voltados a virar matilhas de lobo; mas poucos se virando com as latas que tem; e o mais importante: poucos de fato se virando como podem para não deixarem os outros os tratarem como cães.

Nisto os chineses por exemplo tem uma abordagem oposta. Foram tratados incluso formalmente como “cães”: “kinos”, “sino”. Porém desenvolveram toda uma abordagem para o bem e para mal bastante distinta da brasileira para lidar com seus problemas. Assim me inspirando e usando como referencia as técnicas dessas resistência milenares contra-aculturadora- que não deve ser confundida com as ações do Estado e Partido Maiosta-Comunista Totalitário Chinês, que nem quero falar, até porque essas artes e técnicas não foram desenvolvidas nem empregadas contra o poder de invasores estrangeiros ou como técnicas de defesa estatal, mas populares- darei sequencia ao trabalho. E espero que em breve. Com respostas e soluções bem melhores e mais completas que estas. Porque compartilho da mesmo sentimento. Como disse a tal historia do antes tarde do que nunca, é como dizem os gringos, bullshit. Quem tarda falha, quando não mente e sabota descaradamente. A solução verdadeira há de vir no seu tempo. Porque fora dele não passa de curiosidade para historiadores.

Mais uma vez obrigado, pela atenção

Written by

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store