Porque Lula lidera as pesquisas?

Porque Lula lidera nas pesquisas? Seria isso um mistério? A questão deveria ser outra: será que os analistas não entendem ou só estão fingindo que não entendem?

Esse resposta é na verdade uma síntese de diversos que já se encontram aqui no Medium.

Lula lidera as pesquisas porque “rouba mas faz”. E o “rouba mas faz” ainda funciona e vai continua a funcionando no Brasil não por causa de fanatismo ideológicos mas por uma razão muito simples: o que há de alternativa concreta ao clepto-populismo consegue a proeza de ser contabilmente ainda pior.

Vamos colocar as paixões futepolíticas o moralismo e até o que resta da pouca dignidade que nos resta fora e colocar essa equação politica-eleitoral maldita na ponta do lápis.

Ele pode ser um ladrão público e notório.

Se todo mundo sabe que um canalha politico rouba (pouco ou muito) mas faz, mais do que rouba seu saldo pragmático é positivo. Ou matematicamente falando o seu saldo “político” é derivado do ele consegue construir ou colocar na mesa do trabalhar com o que ele não roubou. Lulismo, malufismo…

Se ele rouba mais do que do que faz além de ser um ladrão publica e notoriamente reconhecido, seu saldo é negativo, ele mal consegue construir ou colocar nada na mesa com o pouco que resta depois que rouba. Rio de Janeiro.

Se ele rouba tanto que não só consegue fazer nada, como precisa desfazer ou se desfazer do que já foi feito e construído, como um viciado (no caso em roubo). Ele não só tem um saldo menor, mas um saldo negativo que faz parecer qualquer saldo minúsculo ou nojento de quem “rouba mas faz” parecer relativamente um grande feito. Temer e PMDB.

E há ainda um terceiro e mais importante fator determinante nessas contabilidade das valorações relativas pragmáticas. O indivíduo que todo mundo sabe que não rouba, mas que também não fez e todo mundo sabe, até ele mesmo que ele não vai fazer absolutamente nada. Até esse individuo que para o bem e para o mal é uma nulidade política ou cidadã, consegue vencer um Temer, mas perde para qualquer clepto-populista não importa o quanto ele roube, se ele fizer alguma coisa. Essa é a condição da sociedade civil brasileira em relação a toda classe política, em especial hoje ao lulismo. Na contabilidade popular a soma do ativismo da sociedade civil é zero. Ok. Ela foi foi e é propositalmente atravancada pela burocracia… é sistematicamente perseguida justamamente pelos interesses políticos que monopolizam a ação social de base, mas não importa, sabotagens a parte, o fato, é que a soma do resultado popular nessa contabilidade da ação da sociedade civil (organizada ou não) para o povo é zero. Não rouba, discursa contra a corrupção, mas o que faz pelo social? O que faz de projeto social POPULAR? Descontando o desvio padrão, NADA.

E quanto a esse desvio padrão que faz e não rouba? Ele até existe. Mas não só por uma questão de legalidade, mas por uma questão de princípios não entra nem se envolve com as quadrilhas políticas. E quando entra na política, justamente porque não se envolve tem uma carreira apoteótica de coisas que não fez. Um patrimônio político de anos a fio de coisas que NÃO FEZ e NÃO VIU e NÃO PARTICIPOU, justamente por decidiu manter sua dignidade e honestidade. É o honesto por hipocrisia. Não entro naquela sala, porque sei, mas não quero que saibam que eu sei, o que eles estão tratando e fazendo.

Se engana portanto quem acha que o povo é estupido. Ele apenas faz o mesmo calculo de interesses de classe particulares e de classe que o mercado faz quando mantém esses criminosos de abjetos no poder em nome da estabilidade ou da economia (a deles, é claro). Ambos apelam para engolir lixo, quando não tem alternativa. A diferença é o canalha política que a população é pragmaticamente obrigada a apelar é aquele que atende minimamente aos interesses populares que como se vê pela popularidade da agenda do boneco temer não são os mesmos do mercado. Cuja consegue a proeza de roubar em níveis tão altos que não apenas desfaz o que está feito de populista mas de social! Ultrapassando portanto a barreira da impopularidade para entra na antissocial. Então supreende não é o crescimento de Lula, Bolsonaro, dos populistas, autoritários e ditaduras, quando se olha para nossas oligarquistas escravagistas corruptos até ditadores militares ou fascistas como Vargas parecem roubar menos e fazer mais do que esses velhos podres desfazem para roubar ainda mais. Deixe eles terminarem o serviço que até vai ser mais popular que esse tecnocracia amoral e antissocial…

Logo não é uma questão de mérito, mas demagogia e propaganda política. E Como é que Maluf se manteve vivo até hoje na política e inclusive voltou a se reeleger? Foi apenas com o voto da classe média e alta de direita? Foi apenas com o voto dos malufistas? Impossível. Também foi preciso uma grande parcela do voto também das periferias. E que parcela da população foi esta? Aquela que recebia um leve-leite ou que depois de longos períodos de desemprego encontrou um trabalho precário num canteiro de obra superfaturada para construção de túnel pelo qual nunca vão passar. Mas essa é a chave do populismo. O vácuo da inação, insolidariedade e vulnerabilidade social que ele cresce e permanece. Aquela população pode nunca vir a usar aquele túnel, ou obter qualquer benefício econômico nem sequer indireto na soma da socialização dos custos e distribuição privada dos lucros do investimento na infraestrutura nacional, mas o fato é que para todos os efeitos psicológicos e eleitorais ele sempre vai lembrar que naquele período ele tinha um trabalho precário, um vale-leite distribuído com anzol e linha, principalmente enquanto se no futuro não tiver nem sequer isso…

É por isso que só deus ou a natureza nos livra desses monstros do populismo, com a velhice e morte. Porque se depender da vontade política eterna deles, ou da falta de vontade cidadã nossa eles ficariam para semente. E pouco importa que esses morram, porque sempre nasce outro para ocupar seu lugar. De modo que o problema não é propriamente o rato, mas a sujeira. O fato do dono da casa não limpar sua casa. E eis a questão? Quem são os donos dessa casa eles, ou nós a população?

Há quem espere autocritica e mudança da classe política, isso é a mesma coisa que esperar que o câncer, a psicopatia ou esquizofrenia se curem sozinhas, ou pior que os loucos encontrem a cura da sua loucura. O mais provável é que eles acabem prendendo e medicando os são, até porque não são loucos calmos mas violentos. Enquanto os são estão sempre a buscar soluções pacíficas para a viver em paz.

Quem precisa fazer uma autocritica são as pessoas dotadas da inteligência e sanidade para tanto. Não os viciados, tarados e ensandecidos por poder. Se já eram perigos antes imagine agora que estão acuados. Quem precisa fazer uma autocritica somos nós que temos o privilégio de ter um pouco mais de capital e tempo livre para nos organizar e formar sociedades civis ao contrário da grande maioria da população que não consegue tomar parte da sociedade plenamente como cidadão porque todo tempo livre que lhe resta que é quase nenhum precisa usar desesperadamente para esquecer a maldita vida de alienação servilidade e indignidade tanto no trabalho quanto na própria política. Há quem interesse a condição de privação da população brasileira que dessocializa o individuo para constituir as massas de manobra das lideranças populistas? A sociedade? Ou ao populismo que vive de traficar as massas como moeda de troca das suas negociações corruptas com seus pares políticos?

Então a equação é simples. A um erro gravíssimo de entendimento dos papéis culturais no Brasil. a esquerda populista que também é reacionária gosta de vender em sua propaganda política que só a direita é o sinhazinha da casa, que só a classe média é o preto da casa. Quanto eles são irmãos gêmeos. O x da questão da emancipação e desenvolvimento do brasil não está nestes grileiros da esquerda e direita prontos a se abraçar e se matar e até a colocar fogo na casa e principalmente nos campos se for preciso para escapar impunes juntos ou separados, tanto faz. O fator determinante da emancipação do Brasil está em quem um mínimo de condição de exercer uma cidadania com dignidade, em ser uma pessoa livre, mas escolhe ser por medo ou ganância um preto da casa. Escolhe ao invés de fazer parte da sociedade civil disposta a desenvolver um projeto de desenvolvimento humano e libertação do seu povo, prefere se ajoelhar e adorar e servir aos senhores e seus mitos e projetos.

Enquanto a sociedade civil sobretudo a organizada se prestar ao papel seja de papel higiênico de corporações privadas, seja o de organização paragovernamental politico-partidaria, enquanto aquele que se entende e indentifica como cidadão não sair dos discursos moralistas e voltar sua livre iniciativa e suas ações sociais para a população, para o interesse popular, para o crescimento emancipação e libertação do povo da carestia de liberdade e dignidade. Ele mesmo vai padecer da mesma sina da falta de dignidade que não é outra coisa senão a falta das liberdades mais fundamentais ao ser humano.

Porque quando falamos em liberdades fundamentais não estamos falando só do direito fundamental de não morrer ou ser morto pela falta de pão. De viver com esse minimo de dignidade material que é o ter como sobreviver sem ter que pedir autorização a quem tem a posse e o poder para poder trabalhar para si ou simplesmente sobreviver mesmo quando não se nasce ou não tem ainda, ou se perdeu a força ou os meios para trabalhar. Estamos falando da liberdade fundamental que vai além do ter condições materiais dignas para se viver. Estamos falando da liberdade em seu estado mais fundamental que é própria livre vontade, a liberdade que a própria dignidade da pessoa humana. Estamos falando da liberdade como dignidade. Aquela liberdade que mesmo quando uma pessoa é presa, ou até mesmo privada de pão, ou até mesmo atacada e morta em seu corpo ainda sim ninguém pode nem consegue roubar dela, a liberdade como dignidade.

Sem esse espírito libertário não só o câncer do populismo se espalha, mas o da tirania e totalitarismo renasce e toma todos os espaços públicos abandonados. Repúblicas, democracias morrem e tiranias ditaduras sobem. Sem liberdade fundamentais garantidas como condições mateiras de vida minimamente dignas, sem liberdades fundamentais exercitadas como o minimo de independência para preservar sua dignidade a vida se empobrece não apenas em riqueza, mas em valor, em sentido. Em vontade de lutar pela própria vida, liberdade e dignidade.

É por isso que a liberdade não é meramente um privilégio de posses e poderes, a liberdade é uma vocação um estado de espirito libertário, uma responsabilidade social e humanitária com a dignidade de toda pessoa humana. Ou com diria alguém que viveu há muito tempo atrás que tantos ainda idolatram a figura, mas não seguem nem praticam seus ensinamentos, nem só de pão vive homem. De pão e dignidade, o pão da liberdade que liberta os homens especialmente aqueles os encarcerados sem carcere e privados sem privações.

Que as pessoas e sociedade de paz então aprendam a olhar e prover as necessidades de toda a população sem esperar por lideres e salvadores políticos ou militares ou religiosos que lhe imponham a força isto, porque do desespero e desamparo nos campos dos excluídos esses cavaleiros do apocalipse cultivam e recrutam seus exércitos para suas guerras e a corrupção de suas instituições. Porque quem se recusa a olhar prover como pode quem precisa, está fadado a ser forçado a prover como não pode e não deve e as até com o que não tem quem rouba e não precisa, mas sabe por profissão usar as falhas e hipocrisias da sociedade contra ela mesma.

Em suma sociedade desinteligente e insolidária completamente incapaz de se governar e prover o estado social que faça que toda o povo a própria sociedade como um todo, é uma sociedade fadada a ser divida e apartada em classes, jogada vizinho contra vizinho, irmão contra irmão, pai contra filho, como massa a trabalhar pagar impostos e servir seus lideres e governantes que se fazem seus provedores e protetores da provisão e proteção mutua que como pessoas livres e contrato social sem atravessadores autoritários somos incapazes de constituir sem tutela.

A pergunta é: Somos mesmo assim? Somos uma sociedade de impotentes, ignorantes infantilizados que precisa ser tutelada e enganada com contos e mitos. Ou só estamos amarrados e cegados por um véu de insolidariedade burra que não nos deixa ver e libertar toda a nossa potência?

Lula é um mitomaníaco incorrigível. Mas ele foi absolutamente sincero quando disse que ele não é uma pessoa é uma ideia. Ele fez mais que roubou? O simples aceitar os termos dessa questão, não importa quem se sagre vencedor já mais uma vez é a derrota (e pilhagem) do povo e da sociedade. Lula é um mito. É uma ideia, que não é feita nem do que fez de bom nem do que fez de mal, mas como toda ideia, um fruto da construção ideológica, da propaganda de quem o inventou. Mas ideias e promessas eternas são poderosímas principalmente nos mundo onde não competem com as realizações, mas só com as proibições. Elas crescem e se alimentam da repressão e proibição. Ideias são a prova de balas e prisões. Mas não são invulneráveis. Ideias se desfazem com fatos. E fatos não se constroem com fakenews, fatos concretos que se sustentam se constroem com realizações, com atos. Ideias e discursos quando batem de frente contra a força do ato, a força da realização se desfazem exatamente naquilo que são: mitos e fantasias. O ativismo social o ato cidadão é como água benta na demagogia e corrupção política, ele exorciza todos os demônios e espanta todos os falsos santos e profetas. Levanta os que se estão de joelhos aos todo poderosos. E enche de dignidade absolutamente insuportável e irritante tanto para crentes hipócritas quanto seus falsos ídolos e pregadores. Desperta também um ódio e perseguição enorme, mas esse ódio e perseguição só alimenta ainda mais o amor e a vontade de ação repleta do significado da palavra e palavra constituída pela vivência do significação da ação. O que não deixa de ser uma luta, mas é acima de outro tipo de ação, é educação. E é assim que até os menores e mais invisíveis ações idealistas de simples cidadãos derrubam silenciosamente os maiores mitos e discursos dos mais poderosos falsificadores ideológicos.

Estamos portanto com metade da solução. Não roubar para poder fazer. Agora é preciso começar imediatamente a difundir e principalmente começar imediatamente a construir a outra parte da solução sem esperar que ninguém o faça por nós. É preciso fazer. E fazer sem esperar que primeiro recuperemos o que roubado seja de bem políticos seja bens econômicos, é preciso fazer como o que temos do que não foi ainda roubado. Até porque os inverno está vindo e quando mais esperamos menos temos de capital para fazer, porque enquanto esperamos que eles façam, mas eles roubam para distribuir migalhas e colher fanatismo e servilidade. Eis o ponto é preciso fazer até mesmo para recuperar a força social e retomar não só o que foi pilhado, mas retomar o controle do patrimônio que nos pertence e que continua a ser pilhado.

Sinto muito, é comodo crer e esperar que o tenentismo togado vai fazer isso por nós e salvar a pátria, mas não vai, não sozinho. Ou a sociedade civil assume e cumpre voluntariamente a sua responsabilidade social perante a povo ou vai ser engolida pelas projetos e forças em disputa todos antagônicos aos interesses comuns não só da sociedade mas de todo.

E aí não adianta chorar igual ao índio de Rousseau que não tem onde dormir a noite porque vende sua cama de dia. Seja quem for o populista, tirano, a classe ou oligarquia a impor a sua ditadura disfarçada de democracia a formula básica será a mesma: eles a governar pilhar e distribuir restos, e nós a bancar com trabalho e impostos seus privilégios com ares de benesse social ou austeridade fiscal. Porque uma coisa é certa. sem nenhuma mascara e disfarce nus e expostos como estão enquanto organizações criminosas com o poder de legalizar seus crimes eles não vão ficar. A corrupção vai desaparecer. Se não com eles a cair. Com a clássica solução de quem dita a dura ordem: calando quem denuncia.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.