Excelentes e instigantes suas questões também, vamos a elas:

Tem algumas variantes que podem ainda surgir e vir a influenciar e muito o comportamento de massa, ou mais especificamente levar a a massa ao que em teoria de redes chamamos de ponto de massa crítica.

O principal variante é claro Cunha que já deu prova que quando contrariado não blefa:

A segunda é a atroz e convicta truculência da policia para debelar provocações de forma completamente desproporcional, se é um coitado morto, um mártir que muita gente quer, basta pedir a policias do Brasil, especialmente a de SP.

O terceiro fator que pode ser determinante, não é propriamente uma variante, mas um tendência que vai de encontro a questão que você colocou: o ódio cego (e burro) ao PT vai continuar servindo de sombra e esconderijo para o resto da bandidagem politica? A população vai continuar comprando esse pantomima de que esses comparsas são adversários nos três poderes e se dividindo em azuis, vermelhos, verde-amarelos? Ou finalmente vai se tocar que se há uma divisão de classes no brasil ela está notadamente marcada pelas a dos privilegiados e o resto a população comum?

Acho que a questão do foro privilegiado, foi um divisor de águas neste aspecto. Todo mundo sabia que havia dois tipos de justiça. Mas que ela estava devidamente marcada por dois tipos diferentes de direitos civis, por dois níveis de distintos de cidadania. Isso é como um carimbo não na injustiça, mas na percepção absolutamente necessária de igualdade fundamental que direitos para compor um estado civil. Veja, mesmo que ela não exista, para que se mantenha a paz é necessário que as pessoas acreditem que ela existe. E essa percepção desapareceu. E devolver as pessoas para o estado anterior de ignorância e idiotia é quase impossível, nem com toneladas de Globo, Veja, Facebook e Pokemon Go. O conhecimento é caótico é entropico, não volta ao seu estado anterior de incomplexidade, ou simplesmente já era; Mais hora menos hora essa bomba vai estourar. Pode não ser durante o reino Temer, mas vai.

Até mesmo a jogada do fatiamento, por exemplo. É uma manobra que permite que em breve Dilma volte ao cargos públicos; leia-se, portanto, ao foro privilegiado, e escape assim ad aeternum a lá Maluf e Renan de eventuais processos que impliquem justamente bandidos que sempre se safaram. No final das contas essa é uma manobra que pode ter o efeito inverso, pelo simples fato de que muita gente já sacou e denunciou o esquema na internet- aliás como faço agora.

Eles não entenderam ainda o poder difusor da internet, onde um monte de ações minusculas completamente desconhecidas e descentralizadas acabam por compor a opinião publica sem que aja nenhum grande formador que possa ser desconstruído, ante que se atinga a bendita massa crítica.

Em favor deles, pelo menos desta vez, o Planalto, já sabe que não sabe porra nenhuma de como lidar como esse fenômeno. E reconhecer sua ignorância é uma grande vantagem estratégica, como demonstrou pela exemplo negativo sua antecessora. Mas isso em si não salva ninguém do cadafalso.

Porém outra matéria interessante que uma importante tendencia de que o manifestações podem tanto sair da esfera petista quanto da anti-pestista é a justamente a reação consternada, quase triste de um dilmista de carteirinha por novamente os protestos não estarem sendo monopolizados pelos “seus” grupos que eles ainda dominam ou predominam, nem estarem mais sendo dirigidos contra eles.

Quanto ao discurso do risco de mais instabilidade economia advinda das diretas já, este é um tipo de falacia que vai demorar um tempão para colar de novo. Creio que tentar nesse momento colar nossos problemas políticos e econômicos a qualquer iniciativa ou reação popular pode ser uma marketing politico suicida. Seria mais ou menos como se a Samarco fizesse uma campanha ambiental pedindo para a população economizar água, ou fazer a sua parte para preservar o meio ambiente. Esse tipo de transferência de responsabilidade funciona quando os escândalos e crimes estão abafados, mas quando os crimes e desastres explodem, as pessoas percebem que são as toneladas de lixo que eles jogam e não elas que está acabando com tudo. E essas propagandas bestas não colam mais nem mesmo nos mais sugestionáveis.

Assim mesmo que não haja consciência nenhuma, precisamos considerar os traumas, as marcas recentes que o ultimo governo deixou no inconsciente coletivo. Nela estão patentes que nossas crises sociais e econômicas vem: (1) dos desfalque provocado pela quantidade exorbitante de recursos roubados pela corrupção; mas também (2) da incompetência absurdamente estupida dos modelos econômicos aplicados no pais! Acho portanto dificílimo convencer as pessoas que são elas e suas decisões diretas o problema e não os políticos e as decisões indiretas dos tecnocratas. Aliás isso já está se tornando senso comum não só no Brasil, mas no mundo, E até a múmia politica brasileira mais sensata já reconheceu o fato: “a democracia representativa liberal morreu”.

https://www.portalaz.com.br/blog/blog-do-murilo/379578/para-fhc-o-pt-e-ate-o-psdb-viraram-velharia

Quanto ao fim do PT. Não creio que isso vá ocorrer, nem que deva ocorrer. A generalização inclusive não apenas coloca no mesmo saco gente que não cometeu crimes junto com aquelas que o fizeram, como vai além, encobre no mesmo saco os verdadeiros criminosos. Veja bem não estou dizendo que o partido não deva responder por aquilo que fez como organização, mas efetuar a dissolução de qualquer forma de associação que não seja inerentemente violenta ou criminosa contra a vontade dos seus membros é em si uma violação dos direitos civis destas pessoas. Seria como tentar extinguir a igreja católica por causa que ela encobria a pedofilia, ou as teologias da prosperidade que pregam e praticam o estelionato e a falsidade ideológica.

Isso não pode ser feito senão por aqueles que servem esses ídolos e senhores. A nós que rejeitamos esses cultos, cabe respeitar e garantir que eles ficam dentro dos seus limites, aceitando nossa rejeição. São portanto as pretensões de controle sobre as pessoas que querem se ver livre de todos esses projetos de poder e controle da vida alheia que precisam ser ceifados, e não sua credos e ideologias, ainda que os consideremos insanos fanáticos ou primitivos.

Tais comparações com agremiações religiosas não são nada despropositadas. E por duas razões: a primeira porque o populismo politico de esquerda ou direta trabalha a mentalidade da militância de forma absolutamente idêntica a do fanático religioso. A segunda, muito por causa desta veia aberta, o novo populismo politico está cada explicitamente bebendo da intolerância do fundamentalismo e fanatismos religiosos.

Estas sim são novas correntes perigosas que já emergiram e podem se firmar de vez até mesmo como hegemônicas, caso tudo acabe em pizza.

Tome São Paulo, por exemplo como termômetro. Já que é usado pelos partidos como uma especie de tubo de ensaio para as forças que disputarão o poder nacional. Vemos já claramente os riscos destas nova força emergente (Russomano) em luta contra as “velharias” decadentes tanto do trabalhismo explicitamente reduzido a um peleguismo decadente (Haddad), e a social-democracia completamente sem a máscara, completamente assumida no que sempre foi: a representação de uma aristocracia liberal (Marta-Matarazzo e Doria).

Acho que é mais por isso que a CNBB chora do que por Dilma.. seu projeto progressista de poder, em derretimento frente ao ascensão dos evangélicos.

Levando então todos esses princípios e essa conjuntura politica em consideração digo que com toda certeza qualquer forma truculenta de extinção dos velhos partidos inclusive aqueles que apelam por meios legais apenas aumenta a força, batendo em cachorro morto. Os partidos e as ideologias estão em decadência, mas não vão desaparecer, vão perder a hegemonia frente a novas formas de manipulação e domínio cultural. A tendencia do petismo e dos demais partidos políticos frente a marcha da história é se tornarem ultrapassados, e desaparecem pela própria e obsolência e teimosia intelectual diante frente a novas formas mais avançadas de organização politica baseada na tecnologia peer-to-peer. Por isso enquanto esse processo se consuma devemos deixar o petismo encontrar seu fim por conta própria. Garanto a você ninguém sabe melhor como fazer isso como eles mesmos.

Já quanto aos velhos coronéis que retomaram o poder, do qual nunca saíram de vez. E os fanáticos e populistas de extrema direita que se levantam como nova força emergente, se queremos mesmo fazer frente a eles e atingir qualquer grau de consciência ou ponto critico de mobilização popular, não poderemos em hipótese alguma nos calar.

Não sei quanto aos outros. Mas eu não vou.

Written by

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store