Do AI-5 ao excludentes de licitude: Do terrorismo paraestatal do “Partidão” ao terrorismo estatal do “Capitão” e seus filhotes de Goebbels

Como a guerra de propaganda do terror entre o gangsterismo dos simbiontes lulistas x bolsonaristas criminaliza e queima todo (arquivo) da segurança jurídico-diplomática-civil da sociedade para livrar e legalizar os crimes passados, presentes e principalmente os futuros projetados das suas gangues criminosas como ditaduras estatais muito mal veladas.

E a Santa Sé no meio.

Brasil: o país dos velhos totalitários de fraldas geriátricas boca suja. Onde eles cagam pela boca. Porque pior do que palavrão, é evocar o que há de pior na história de um país, como cortina de fumaça.

E lá vem seus “assessores”, mas pode chamar de papel higiênico de bunda suja higienista-eugenista e vigarista submarino ficha-suja incluso, incluso aí os informais que se dizem informativos, ditos formadores de opinião, para limpar com a língua, desdizer o que disseram. Tão novos e já se prestando a esse velho papel… aí, aí, meus jovens panamericanos… Alfredo… agora foi o Guedes que cagou e foi lá com os americano…

Mas aí já era. O impacto é mensurável. E pelos veículos de propaganda de direita:

E era, porque era para ser assim mesmo. Jogo de morde e assopra, para jogar fumaça, botar lenha na fogueira e banalizar o absurdo e, se colar colou. Até porque se (ou quando se) a coisa descambar de duas uma: a. dando certo eles se proclamam como arautos do “tava avisado, viu?” se der errado, fomos mal interpretados pelas intrigas da oposição e imprensa maldosa. O famoso foi sem querer… querendo. E assim de fósforo em fósforo a tensão vai subindo, como explicava o general Mourão antes de virar politico mineiro: em progressões escalares…

Por sinal para quem tem memória de peixe beta, exatamente o mesmo jogo tático empregada pelos adversário e assessores. Lula sai tacando fogo, imprensa amiga sai desdizendo o que ele disse: Intrigas da oposição. E fica o dito pelo não dito, sem que ninguém precise responder pelo que disse. Assim se joga dos agentes provocadores e sabotadores levantado a bola um para outro chutar como se fossem do mesmo time. Chega até ser patético a sincronia; se fosse jogada ensaiada em treino não funcionava tão bem. Mas porque precisariam ensaiar? Jogam com a mesma cartilha e expedientes e escola. Expediente de bandido, terrorismo e intimidação. É o mesmo filosobol e o mesmo nível de comentários de mesa redonda. Ambos querem exatamente a mesma coisa: Lula e Bolso. Quanto pior, melhor. De um jeito ou de outro.

E aqui… Já começo a dar spoilers que isso foi só mais um capítulo dessa história. Ou mais precisamente desse momento da história, ou melhor, espetáculo onde sou obrigado a confessar que não sei o quanto, qual e se os atores sabem exatamente o que estão fazendo, ou qual é o grau de consciência do papel que estão se prestando a representar. Mas sei qual é a trama, o roteiro, e infelizmente o final se realmente pagarmos para ver como meros espectadores e macacos de auditório essa palhaçada que já virou freakshow que não vai terminar bem. Brasil não é filme do americano Tarantino é de trash movie e de xicano do Robert Rodriguez um “Drink no Inferno”, ou se preferir uma coisa mais trash nacional é cinema boca lixo de “Ônibus da Suruba” a Zé do Caixão. E a meia-noite as múmias da política levarão sua alma.

Filhotes de Assombração: “No ano de 1961, eu poderia ter fechado o Congresso com dois soldados e um cabo, isso seria bastante”

Veja o case da “criançada” do MBL. Que insiste em brincar com necromantes profissionais que já comiam criancinha antes dos stalinistas inventarem o Holomors pela fome planificada na Ucrânia, ou os nazistas a solução final nos guetos para acelerar a morte dos prisioneiros por trabalhos forçados nos campos de concentração.

Ai, Ai. Pois é. Quem avisa, nem sempre amigo é. Mas, ninguém merece cair nas garras dessas gente. Ninguém, nem os piores inimigos, que dirá gente que nem conheço, nem faço a minima questão de conhecer, para fingir amizades ou inimizades.

Só no America Latina mesmo as quimera para idiocratizados: catolicismo vermelho, e capitalismo sem protestantismo. Ver gente se dizer liberal papista é a mesma coisa que ver comunista sem ser ateu, uma conto para comer criancinha.

Basta olhar o mapa-mundi desde do advento do capitalismo, e ver quem ficou pra trás, seja com tiranias sob a esfera da escatologia antes católica ou depois na comunista. Que o diga, a Espanha de Franco, Portugal de Salazar ou mesmo a Itália de Mussolini (e olha que a Alemanha foi divida duas vezes religiosa, politica e ainda teve o nazismo). Dizer que os países que teimaram em não fugir do capitalismo como o diabo da cruz e não reconhecer, essa contradição cagada escarrada no atraso dos países que não escaparam do 171 mais antigo da terra e continuaram mais feitos e afeitos a imagem e semelhança da vulnerabilidade estatal latino subdesenvolvida às crises das bolhas financeiras do necrocapitalismo do que a doutrina eurocentrista e anglo-americana da solidez fiscal-tributária das bancas e companhias das indias protestantes que afundaram as naus, armadas das potenciais papistas-mercantilistas que outrora também dividiram o mundo ocidental em dois, é a mesma coisa que hoje comprar igreja evangélica por protestante.

Alias, antes que digam que persigo católicos, evangélicos protestantes, ou que sou ateu, o que não teria problema nenhum. Vamos deixar claro: tudo muito pelo contrário.

Alerta de digressão brava (pode pular e quando quiser volte sempre [é texto dentro do texto]:

Defendo inclusive o direito deles de discriminar quem eles bem entendam dentro da sua casa. Se não querem casar A com B, na igreja deles, ninguém pode força-los a nada. Nem eles a nada. E esse é o problema todos agora estão apelando para o subsidio do monopólio legal da violência para forçar os outros para fazer o que eles querem um na casa e agremiação dos outros. Vão se fuder, ou não, mas cada um na sua casa e dentro do seu espaço de comunhão de paz. Vivam em paz e deixem os outros viver em paz.

É por isso que não acredito em comunhão de paz, mas não acredito em comunismo nem das propriedades particulares nem dos meios de produção. Ninguém pode ser obrigado a compartilhar nada com os outros se não quiser, a começar espaços de convivência. Quem acredito que isso é possível não é acredita na bondade das outras pessoas, acredita que é a pessoa mais incrível do mundo. É preciso ser muito egocêntrico se achar o máximo o tempo todo ou é muito para acreditar nisso. É muito carência. Não dá. É preciso de desconfiômetro. Ninguém nem em casa que dirá no trabalho é a todo momento uma pessoa com quem queremos compartilhar tudo. Que dirá todas as pessoas são pessoas que queremos compartilhar qualquer coisa. Isso é bobagem, o compartihamento ou a comunhão é definição absolutamte autodeterminação e soberana da santa paz da relação consensual para começar de duas pessoas e tantas mais quanto quiserem entrar ou sair desde que ninguém seja obrigado a participar, assistir, senão isso ou é prisão, ou putaria sado-masoquista ou as duas coisas seja com sacerdote, juiz, politico medito no meio para dar fé em cartório ou em auto e inquisição ou não.

Propriedade privada do que é de fato e por direito seu, é tão fundamental ou que ninguém deveria estar privado da suas. E tão mas tão capital que se alguém por ventura estivesse privado mesmo que por desgraça ou desgraça do usufruto necessário para ter alguma deveria imediatamente receber o absolutamente necessário em termos de espaço e meios vital para poder sobreviver seja gente ou mesmo bicho, porque sem uma é uma lei da natureza e da guerra que ele busque por todos os meios justos ou injustos tentar sobreviver. Mas os idiotas querem debater moral com os famintos, e o pior enquanto ovelhas entre lobos.

Sem a garantia desses dois espaços simultâneos de convivência e produção tanto o privado quanto o livre transito publico. Onde as pessoas possam ir e vir para realizar suas comunhões e obras de paz compartilhando livres para estar com quem querem e livres para não estar com quem não querem incluso dos seus olhos, mãos. Se as pessoas não entendem que nem a esquerda, esquerda, o de baixo, o de cima, o nativo ou alienígena não conseguem entender que não podem entrar no espaço de culto, produção, e fé para regular ditar, falas, relações, ritos e costumes do outro, nem impedir que alguém sai não só de um lugar, mas de um culto, comunhão, fé livremente para ir ao outro sem sofrer impedimento, obstrução perseguição, não entendem o que é liberdade, não entendem o que democracia. Não entedem o que viver em sociedade num estado de paz. Ou pior entendem e tentam destruir para impor ditaduras politico-religiosa do seu grupo para pilhar e escravizar os demais. Seja se vendendo para interesses estrangeiros, seja sendo manipulado em suas ambições cegas por esses. Logo expropriar propriedades ou o fruto do trabalho alheio é roubo, bem como subsidiar a posse violenta da propriedade e trabalho roubado, idem, continua sendo, e não expira, não importa qual governo ou regime.

Nenhum filho deve pagar pelo crimes dos pais. Mas dai a reiterar os crimes de privação e exploração da privação primitiva não só do direito a apropriação pacifica, mas ao usufruto tanto do bem comum, que não é exclusivamente seu, quanto tanto pior do patrimonio nacional que foi construído quando não roubado e continua sendo isto não é um crime perdido em algum lugar do passado, é um crime de responsabilidade não dos ricos mas que toda a sociedade equitativamente não só as posses, mas sobretudo ao poder, ao controle sobre o patrimonio especialmente o público. Isto todo cidadão tem a obrigação de responder não perante tribunais de justiça que não resolve nada, mas enquanto pacto social com garantia de cidadania constitucinalmente para todos e não como papel em letra morta, mas como uma nova cultura e ethos social que as cartas magnas, são nada mais do que a proclamação e aviso aos incautos: “isto somos nós e ai de quem se atrever a a nossa comunhão de paz”. Para quem entende de religião : a santa ceia, o verdadeiro significado de uma eucaristia. Porque bem sabe muito além da cristologia, seja qual for o credo, seja entre civis ou militares, a moral de irmandade não se faz caçando o inimigos, mas do pedaço de pão que se comportilha na luta pela vida.

Não, o problema não é Lula nem Bolsonaro, nem gringo algum, o problema nunca pode ser o outro, nem quando de fato ele é um problema Porque aquele que elege outro como a raiz do seus problemas já foi derrotado, especialmente se o inimigo não estiver do outro lado, mas só esperando como abutre para conquistar e pilhar a casa dos irmãos assim divida em campo guerra para ser conquistada. E se não há abutres sobrevoando, aterrorizando antes, uma vez dividiva haverão depois. E não adianta chorar, porque seja fazendo intriga, seja causando confusão, ou só aproveitando depois como um oportunista a desgraça alheia, o fato não muda, se não fossemos vulneráveis a tais expedientes e armadilhas não só lidaríamos com o problema, trataríamos e solucionaríamos não como guerreiros ou guerrilheiros, ou vigilantes, mas como o medico trata todos os males que afligem a condição humana tratando desde que não estejam eles próprios vulneráveis e insanos dela.

Gente carente, doida, fanática, desesperada, mesmo a mais perigosa extremamente psicopática tarada por poder posse e possessão do alheio nunca é um problema se não tem posses e poderes e autoridades para colocar a vida dos demais em risco, ou o que é a mesma coisa salvo se por imprudência, falta de condições e enfim necessidade somos postos ou temos que nos postar diante delas sem estar devidamente protegidos.

Notem que até predadores irracionais mais ferozes podem ser deixados vivendo livres e em paz, com tal sabedoria ecológica capaz de preservar a diversidade biológica, como não conseguiríamos aprender a conviver uns com os outros, respeitando e garantido mutuamente os espaços e viveres vitais não só nossos, mas do outro com tal sabedoria cultural solidária a paz e liberdade do outro que é seguridade da nossa?

Eis porque os senhores da guerra se servem dos falsos pregadores da discórdia que primeiro apartam e paralisam para depois desintegrar. E enfim governar como ditadores prepostos de terras provincianas colonizadas, arrasadas, pilhadas e subdesenvolvidas. Mas tais armadilhas só funcionam em sociedades civis fracas e insolidárias, onde a moral já é hipocrisia das teses e atos simbólicos e transcenderias de responsabilidades e não das praticas sociais profiláticas.

É uma doença epidêmica autoimune que não se propaga e os agentes e vírus oportunistas não tem como infectar o sistema de defesa imunológica contra suas táticas de ruptura do tecido social. Defesa portanto que não é feita de reação violenta indiscriminada contra o corpo. Mas da capacidade de eliminar as causas ambientais tanto das mutações teratológicas, quanto as fisiológicas da propagação da corrupção células doentes. Mas não só. Evitando que esse organismo ataque e se autodestrua, nesse processo. E antes de tudo e uma vez por todas curando-se definitivamente desse câncer, que é algo que só se faz, entendendo que o câncer não é uma guerra contra uma doença. Ele simplesmente não é a guerra, mas a ausência do estado de harmonia e paz dentro do organismo, que assim de invulnerável e constante adaptação regenerativa saudável de integração ao ambiente, entra em processo de desintegração ecossistemática célula a célula, organismo a organismo, bioma a bioma, até aprender a se transformar e entrar em equilíbrio ou se autodestruir até perecer.

Uma questão de paradigma epistomólgico, onde não adinata trocar de espectro politico da macro ou microscopia da economia politica, ou da politica econômica, é preciso trocar de semioscopia, da demagogia ideológica ultrapassada para a nova ciências das novas consciências contemporâneas.

Porque do contrário vai se infectar tomando remédio de charlatão, não é remédio, mas veneno, que por sinal já está sendo ludibriado. Porque não é só libertário que se vê obrigado a se torna autoritário quando atacado em defesa da liberdades fundamentais concretas, isto é, da propriedade do seu corpo, dos seus amores, das suas relações, dos seus direitos de identidade, da sua casa, privacidade, ir e vir, local de trabalho, fruto dele, mas toda pessoa humana, todo ser humano está sujeito a cair nessa armadilha da violência e tirania que é um cancer, quando se vê obrigada em legitima defesa contra um tirano seja ele um bandido comum, já o um o chefe ou rei de um território e forças armadas enormes a defender a vida e liberdade sua ou de quem ele quer que seja. Essa é a grande armadilha desse câncer da violência que contamina a todos que não entendem que o segredo da paz não é o estar preparado para a violencia, mas a garantia universal das liberdades como usufruto de liberdades fundamentais enquanto propriedades concretas e não ideologia.

Porque toda vez que uma pessoa perde sua liberdades fundamentais como usufruto dessa propriedade essencial do viver em paz, não só ela mas toda a sociedade já perdeu porque está mais vulnerável. Porque toda vez que uma pessoa é obrigada a agir ou reagir com violência para preservar sua vida toda sociedade já perdeu porque não está mais vulnerável, mas de fato menos livre e mais insegura, mais convertida e pervertida ao discurso autoritarismo pelo medo e terror.

Em suma, do ataque, de cerco privação ou agressão as liberdades fundamentais vulneráveis toda pessoa pacifica e libertária se vê obrigada a usar da força de fato para defender como toda autoridade da legitima defesa sua liberdade como propriedade inviolável (ou é violada). E assim a armadilha da cultura autoritária da violência, que vai tragando todos querendo ou não para a guerra do todos contra todos, onde todos estão presos e paralisados ao ciclo da ação reação e não-ação violenta que leva ao autoritarismo. Onde se correr o bicho pega se ficar o bicho come. Porque a solução não está na problema dado, mas na proativada contra a criação do problema. Profilaxia. A solução, está em não permitir que as liberdades fundamentais de absolutamente ninguém jamais estejam vulneráveis a serem violadas, que nenhum pessoa humana esteja em condição de carência ou carestia para ser objetificada ou tiranizada, não importa sua origem, quem seja, ou o que tenha feito.

Agora isso não se faz com pregação, nem luta simbólica, porque assim como o bandido não rouba nem mata burguês de esquerda, gritando impropérios politicamente incorretos no ouvidos sensíveis, nem o policial mata com auto excludente de licitude, ou auto de resistência, mas passando fogo. Criança e pai de família fazendo triagem de gado. Mas garantido a todos suas liberdades fundamentais como minimo vital. E se não falo mais a palavra renda básica a qual pago e pratico isso é algo que explicarei nos próximos textos. Mas essa é a chave tanto da cura quanto da doença. A vulnerabilidade da liberdade não como discurso mas como usufruto de propriedades e direitos indiviais e particulares de cada pessoa natural e humana, usufruto de direitos de soberania e autodeterminação e consensualidade e comunhão de paz intransferiveis inalienáveis. Quem os tem entre os que não tem se faz senhor e rei dos demais, desigualdade de autoridades e liberdades: ditaduras. Povos que os tem como igualdade de liberdades e autoridades: democracias. Sobre o quê? Sobre propriedades uns dos outros? Não só o o usufruto da propriedades que não é nem todos, nem de ninguém, nem de uma pessoa só ou um só grupo, porque se todos precisando dela para viver, ninguém pode detê-la sozinho contra todos, nem todos podem possui-la a revelia contra a necessidade e carestia e privação de uma pessoa só sequer: o bem comum. E sobre essa propriedade que nem todos nem ninguém pode possuir, nem deixar de cuidar mas todos tem o direito de usufruir e ao mesmo tempo o dever de preservar e garantir que ninguém nem no presente nem no futuro morra por não ter acesso a fonte da vida, é que se constrói não só uma nação, mas a irmandade cosmpolítica entre nações, que não suprime, nem une coercitivamente, mas constitui a humanidade, não como união de aparelhos estatais, mas de pessoas naturais em torno de um bem comum a todos: a vida em paz.

Isso é para que se entenda claramente a critica aqui presente. Porque hoje em dia. Você diz que a violência de A ou B é um problema, lá vai o pacifista C a atacar, ameaçar a pessoa, família, casa, liberdade e credo, manifestação, direito e local de reunião, comunhão senão ele mesmo, terceirizando via estado ou empresas legalizadas ou nem tanto. Isto quando além de ameaçar já saem é cobrando arrego junto com a rendição mesmo, perdão tributos. Bem, sinal de civilização, primitiva e autoritária, e prestes a ser extinta por impotência geriátrica-patriarcal perante superpotências ainda mais necro-gerônticamente disfuncionais em sua piscogenia, mas mais ciber-anabolizadas necrobiotecnologicas com suas ‘bombas’ no caso as semióticas- que introjetadas de outras formas diversas que farmacológicas com fins socioestéticos aparentemente diversos, tem efeitos mórbidos necrose fisiológica e psiqua e cultural com resultados bastantes semelhantes para toda a cadeia industrial tanto dos fornecedores financiadores, fabricantes, traficantes, provedores, “reguladores” até quanto aos clientes, usuários e viciados. e consumidores que consomem se consumindo. Necro-capitalizam o alheio pagando para se descapitalizar em vida. A “alma” desse negócio. Mas isso fica para o próximo escrito.

Assim sendo, eu que sei inclusive tenho testemunhas quase o tempo inteiro que sou uma pessoa insuportável, não peço que ninguém me suporte nem presencial, culto-cultural nem econômica ou politicamente salvo como o faço com todos de bom grado, voluntaria e consensualmente. Deus me livre e guarde que um dia alguém tenha que suportar porque não tem como se sustentar ou porque quer algo que pode ter em qualquer outro lugar. Nesse sentido sou um privilegiado, um vagabundo, comigo, as pessoas só vem ter, e tem o que só podem ter comigo e eu com elas. No mais, tenho mais o que fazer, por tempo não é dinheiro, tempo é vida. E ela é o verdadeiro capital transcendente da metainformacional da consciência transexistencial ou como diria os alquimista o Quintessencia, mas prefiro José Newton mesmo… e a episteme, ou o soul de toda sua ciência materialista, porque malandro é o gato que já nasce de bigode:

(…)Isaac Newton foi quem mais defendeu a existência dessa “quintessência” em suas teorias e discussões sobre os conceitos de matéria e energia. Muitas vezes, Newton deixou transparecer a sua crença em uma força imaterial presente nos corpos materiais e nas formas de energia. Ele admitia que matéria e luz comunicavam-se por algo desconhecido pela ciência. Em suas teorias sobre a propagação das vibrações dos corpos, chamava essa essência desconhecida pelo sugestivo nome de “espírito da matéria”.

De Aristóteles aos cientistas modernos, muito já se cogitou sobre a força oculta presente em todas as coisas. Em 1998, três astrofísicos da Universidade de Pensilvânia mencionaram o termo “Quinta Essência” para designar um campo dinâmico quântico que é gravitacionalmente repulsivo.(…) -O Quinto Elemento

Pois é. O X marca a questão literalmente de muitas formas…

Muitas formas…

Por isso, quem dera todos os problemas do mundo, fossem o “japonês” do MBLs, as “meninas” do PSOLs. Os movimentos sociais estudantis e os “mamãe falei”. Ou até meia duzia de blac bocks. Quem dera eles fossem todo o problema do Brasil, ou fossem as raízes do problemas brasileiros, supondo seja discriminação ou indiscriminadamente que problemas todos ou só alguns eles são.

Quem dera o problema fosse a eterna criminalização da juventude. E não a descriminalização dos crimes desses sempre velhos patriarcas criminosos do patrimonialismo necrocapitalista.

Quem dera o problema não fosse a criminalização indiscriminada da sociedade (e seus direitos mais fundamentais) incluso o de manifestação pacífica e associação civil organizada para salvar bandidos estatais e organizações criminosas estatais e paraestatais travestidas de governamentais e paragovernamentais, uns ainda escondidos em foros privilegiados, outros babando para voltar as prerrogativas autoritárias dele. E como poderia ser diferente? Onde mais senão no território jurisprudencial do culto litúrgico ao monopólio da violência institucionalizado positivamente como legitimidade absoluta não só contra os direitos jusnaturais, mas contra as próprias leis da natureza, a vingança é impunemente justiça, só o roubo é contribuição, a violência é legitima defesa, e o próprio crime é lei que rouba e criminaliza direitos para impor não só a impunidade com regra, mas a obediência a criminalidade como lei, e sua desobediência como punição? Crime é coisa para bandido que não sabe brincar de monopólio. Porque quem sabe monopolizar o mercado dos mercados, o da privação do bem comum pela violência esse passa a ter o uso exclusivo e privativo do direito não só de cometer crimes a posteriori, mas se não for burro a priori?

Muitos espertos achando que estão fazendo todo mundo de idiota, sempre brigando, ora até colaborando um com outro desde que seja para manobrar as massas, prontos para enfiar a faca nas suas respectivas costas, mas sem perceber um pequeno detalhe, enquanto tramam, eles também já caíram numa trama muito maior e vença quem vencer sua vitória será de Pirro, porque não vai levar, porque quem leva é quem está bancando a briga para levar os espólios dela. Talvez eles até saibam disso, e pensem que levam vantagem na trairagem. Não sei. Mas se enganem porque também serão feitos de idiotas e traídos, se é que já não estão sendo e sequer nem perceberam que já caíram numa armadilha.

Mas permitam-me fazer aqui uma (outra) digressão.

Em “2001 uma Odisseia no Espaço”, Kubrick (que teóricos conspiratórios juram fez os filmes do pouso da Lua para os americanos), já dava um spoiler para outra teoria conspiratória futurista:

Quer procurar vida inteligente fora da terra? Vá para Júpiter.

Mas, teorias conspiratórias baseadas em ficção cientifica a parte. E hipóteses cientificas baseavas em especulações filosóficas sobre Júpiter e sua Titã Lunar também o fato- isto é, o fato segundo os dados que possuímos hoje, porque fatos para quem não sabe são baseados em dados, de preferencia os mais atualizados possível- o fato é o seguinte tá mesmo mais fácil encontrar vida inteligente fora da Terra do que dentro. Em especial dentro nossa terra: o Brasil. Júpiter? A continuar nessa toada mais fácil, leia-se. Estatisticamente mais provável encontrar até em Marte ou na Lua não só nativa, digo de lá, mas a alienígena, de cá, não só a terráquea, mas em especial a lunática.

Lunáticos no mundo da Lua? Quem dera.

Quem dera. A depender do ministério e ministros da fazenda e pecuária do Brasil, digo a humana, vamos acabar voltando é para as cavernas, cultivar o culto ao deus Sol e o medo do fogo e da chuva.

De fato as chances são cada dia mais remotas, leia-se estatisticamente improváveis. Quer uma prova empírica? Piada pronta como diria o macaco Simão. O pais da piada pronta. Vou ter que pagar royalties.

Vai perguntar lá no posto Ipiranga. Pergunta pro aprendiz de feiticeiro, o arremedo de Delfim Neto: Paulo Guedes. Aliás que se faça justiça para Delfim Neto, um dos maiores e mais longevos tecno-burocratas corruptos e sem escrúpulos desse país, mas que era de fato um economista politico estatal que sabia o que estava fazendo e não um idiota recalcado que se for neoliberal eu sou Milton Friedman. Ou melhor o neto, Patri.

Pois é. Mais uma prova que não existe inteligencia no Brasil, nem mesmo a honesta. Que se dirá então a idiotia especulatória agora infiltrada na idiocracia como toda sua desonestidade intelectual prestando desserviços à desinteligências nacionais, incluso não só falso desenvolvimentismo agora de viés neoliberalismo ultrapassado e sucateado, uma quimera fantasmagoria que simplesmente não existe, ou como diria padre Quevedo em entrevista para o programa popular-populistas do Ratinho, é pura charlatanice.

Mas sejamos sinceros, convence porque já teve piores. Ou no mínimo há controvérsias. Será que eles vão conseguir superar a imbecilidade e desonestidade da contabilidade fiscal “criativa” da matriz neodesenvolvimentista “progressista”? Pois é exatamente isso que cada lado aposta. E contra o país. Até porque quem paga não são eles nem criminalmente nem economicamente, mas a nação. É o concurso, a corrida do quanto pior, melhor, incluso com emprego da vigarice, coerção e violência. porque o menos pior, onde há o monopólio da violência mas do crime, incluso o de corrupção vence. Democracia? Ditadura? Direita? Esquerda? Tanto faz, desde que a idiocracia prevalece. E o povão, vá trabalhar, porque é vagabundo.

Ele é o cabeça econômica do governo? O tecno-burocrata que supostamente deveria ser a cabeça pensante e calmante dos mercados que se comportam como manadas de retardados histéricos incluso quando IA rodam, (por isso que se desligam as máquinas dos pregões) é agora mais uma boca cagante. E se não está recebendo por fora para foder com o país deveria cobrar.

Especulação da oposição? Com certeza, e do mercado também. Nos dois casos não se pode culpar nem um outro de má fé. Um apostou a priori especulando sobre a barbeiragem da manobra diversionista subserviente do tecnocrata (esperamos que sem informações privilegiadas, fora a idiotice, porque senão é crime) e capitalizou no mercado financeiro, outro agora especula a posteriori para capitalizar politicamente porque a dúvida é perfeitamente razoável, evidentemente portanto que também sem informações privilegiadas, mas com “nóis”, meros manés, que somos obrigados a entender quem nos fode, no escuro, porque se sabem que há deveriam denunciar; se não deveriam fazer ilações maliciosas. Mas cá entre “nóis” de novo, é fácil né, se manter vivo e virgem vestal mandando os outros enfiarem mão em cumbuca, né? Nisto confesso que sou um filho da puta. Se desconfio que o jogo é sujo não pago para ver, se é ou não. Não quero nem saber. Pulo, furo, saio perdendo e pagando para não ter que saber. Porque o profeta ou mesmo o Sherlock que vê o passado ou futuro com base em deduções ou pré-visões, não é cúmplice nem testemunha ocular (de corpo presente) de nada. Já o outro… pode, se não calar a boca, pode ir dormir com os peixes. Por isso, sempre melhor usar os dois olhos para ver as coisas, o da prudencia e a sabedoria. O que se fecha e que abre, porque quem tem olho do cu tem medo, e quem olho de orus, tem instinto, e você achando que não tinha o superpoder do homem-aranha para saber quando bancar o superhomem, ou se quiser um mártir, mas consciente e não porque puxou uma pena de galinha e veio um dinossauro. Selva! Taí um grito de guerra, que vale não só para militares, mas civis, que decidem sair do mundo-bolha. Embora eu prefira o dos paraquedistas especialmente o daqueles que saltam sem paraquedas. Gerônimo.

Porque reza a lenda: só Apache, podia caçar outro apache, e de fato eles se rastreados e caçados até restar apenas 38 rebelados. Encerrados os serviços prestados ao exercito ianque todos os batedores apaches dispensados e mandados como prisioneiros para “reserva indígena”. Interessante estudar como morre uma nação nativa. Embora para diversão de genuínos arianistas tenha habitantes dos trópicos que se ache legitimo homus caucasianus e ainda replique discursos da “igualdade”.

The Shadows.

De modo que só Sombras podem caçar assombrações. Só fantasmas podem caçar fantasmas, aliás não só fantasmas, mas ameaças, e fantasmagóricas. Por isso, deixemos esses fantasmas do passado alheio de lado descansar em paz, e voltemos para o vasto necromicon das múmias, vampiros, surdos endemoniados, manadas de possuidos, e maniacos por posse, poder e possessores incluso histórico-transcendental que assombram o nosso futuro, agora no presente mais que urgente. Porque um deserviço de desinteligência sem nenhum segredo desse vale ouro, mas para tanto é preciso saber o que está fazendo. E novamente há dúvidas razoáveis.

E o jornalista ainda pergunta, se o cara está sendo irônico. Deveria é se perguntar se o vampiro tá doidão, ou se é doido mesmo, tá doidão. Porque aí o caso dele é grave. E o nosso pior ainda. Tá todo mundo na onda do Chanceler. Deve ser contagioso, da insegurança da ordem jurídica, a diplomática agora para ordem econômica e enfim a civil social e cidadã.

Porque se ele que está no comando do avião, apertem os cintos porque o piloto sumiu. E que por sinal não mais da Embraer, mas agora é Boeing, Boeing e tá com fuselagem rachada… mas dá uma garibada na geringonça voadora, e põe para voar e foda-se. É, esse avião tenho certeza que foram os Irmãos Right que inventaram, e depois é o brasileiro que vive dando um jeitinho. Aí meu resseguro, cheio de graça, bendito sois as mulheres pecadoras… bendito é o fruto do vosso ventre…

No filme acima a histérica é a mulher, mas no mundo real quem perde a cabeça e não para de falar e fazer merda e apelar para pregação da violência e repressão são os veios patriarcas cagões, a esquerda e direita que estão vendo seu velho mundo autoritário e degenerado desabar. E porque? Simples. Já não tem mais argumentos. Não podem senão falsificar descaradamente não só mais história e a memória, inclusive a recente do povo e nação, aliás não só mais a memória, viraram negadores e renegadores de fato, são pregadores descarados de discursos alucinados e alucinógenos para fanáticos porque não tem outra saída. Converter loucos em ensandecidos violentos para impor a força a negação dos fatos e direitos e liberdades fundamentais aos demais. Não tem argumentos, não tem razão a oferecer. Tem narrativa de terror e ameaça e bodes expiatórios para converter gente carente e amedrontada em fanáticos violentos, e uma vez vencida em etapas essa etapa porrada e balaço tanto derrubar todos que continuarem a se opor a seus respectivos projetos de poder. Qual? E o que eles querem decidir desde que seja nos seus termos: repressão de todas as formas de tolerância, dialogo, manifestação pacifica, diversidade de credos políticos e fim do extremismo e polarização e imbecilização idolatra ideológica, populista e demagógica, o fim do ambiente toxico sem o qual seu totalitarismo estatal não respira, e a sociedade democracia ao mesmo tempo sufoca e morre.

Mané imperialismo ianque, mané Cuba, China, e Russia, ou Macron com uma oposição dessa e um governo desse quem é que precisa de imperialismo neocolonialismo ou ameaça comunista ou globalista. Os idiotas-idiocratas se matam e levam o país inteiro pro precipício sem precisar nem receber ordem. Fazem o serviço secreto da inteligencia gringa, sem inteligencia, segredo e se não for graça, a troco de bugiganga ou banana, basta fazer uns escambos dar um espelhinhos pros narcisos e pronto. O que um a tele-inteligência artificial na era da desigualdade da metainformação não faz hoje em dia…

Criminalizar greve. Criminalizar protesto. Cobrar imposto sobre pecado. Imposto sobre imposto sindical. Roubo sobre roubo. Esse cara não é um neoliberal. É uma abominose mercantilista estatocrata. Agora entendi porque o ministro da Dilma, o menino dos bancos o tal Levi, estava lá. E se assim que eles vão defender nessa guerra hibrida, se esses são os instrumentos e tecnologias jurídicos legais e socioeconômicas que a inteligencia e os gênios do Chicago bosta do neoliberalismo tem para entrar nessa guerra pode ter certeza de uma coisa, não importa qual dos extremistas radicais vai vencer, sua vitória será de Pirro, porque quem vai ganhar no plano domestico, se a esquerda ou direito, nós já perdemos. E quando digo nós, estou dizendo o Brasil como Estado, Nação, Sociedade e claro povão, porque quem quer que fique prevaleça para ditar ou cagar regrinhas será no velho esquema provinciano, ou como diria o doctor Mendez dentro da normalidade brasiliana, onde justiça é lenda urbana, e o norma é o autoritarismo e o subdesenvolvido, do saber como quem se está falando.

E o pior é que jornalistas presentes, perguntam se isso é ironia. Até seria se já não fosse de um absurdo fantástico completamente insano e profissional do meio de comunicação perguntar para representante de órgão público e outrora fiel da balança do mercado se ele está sendo irônico. Primeiro porque é muita ironia, mesmo quando ele não a usa, e segundo porque não deixa de sê-lo, mesmo quando eles se valendo desse expediente que não cabe a transparência e responsabilidades do cargo, eles não percebem nem uma coisa nem outra e ainda continuam a perguntar subservientemente o equivalente a você está me chamando e fazendo de idiota? E esperando que ele responda? É claro que não. Fazendo de idiota servil ao quadrado. Ele disse o que disse. No cargo e posição que disse. E se a imprensa não fosse treinada para se comportar com comentarista de mesa redonda de jogo de futebol teria entendido o recado na linha e entrelinha. Meu amigo já vai preparando o terreno para o pior, ou melhor, para o quanto pior, melhor, e já fala abertamente em AI-5. Pois é na falta de cabeça, porrada. E o pior é que não vai funcionar. Ou melhor até vai. Para quem quer ver o país sempre na merda, esteve submetido e subdesenvolvido.

E eis que o Brasil vai caindo de novo nas ultimas fases do golpe dessa guerra hibrida. Guerra de propaganda. E propaganda de terror. Porque é isso o que eles estão fazendo. Seja como idiotas se passando por espertos ou espertos se passando por idiotas, o efeito é o mesmo. Terrorismo puro é o nome técnico do que esses agentes sabotadores infiltrados estão fazendo. Tanto Lula e seus militantes, quanto Bolsonaro e seus militantes estão fazendo. Grave no caso de um ex-presidente que responde por crimes de corrupção e não de assassinato, mais grave ainda no caso de Bolsonaro ainda mais grave pela posição de poder que ele ocupa, é ou pelo menos deveria se comportar como se fosse um presidente de uma suposta república democrática ainda que tão somente para efeitos representativos. Mas a ordem e da progressão é outra, é de retrocesso para preservar privilégios centenários domésticos e domínios internacionais.

Pergunte-se:

De um lado, a quem interessa pregar o terror para tornar protestos pacificos violentos, ou mesmos criminosos? Ou atos de defesa de crimes e criminosos especialmente os governamentais? A quem interessa o quanto pior melhor?

E do outro lado a quem interessa que protestos não ocorram em hipótese alguma mesmo se pacíficos? A quem interessa criminalizar protestos mesmo se pacíficos para poder reprimi-los como se fossem violentos? E se violentos, o pior, tanto melhor?

A estratégia de Lula e Bolsonaro é a mesma. Apenas em posições diferentes. Você derruba queima ou derruba tudo, inclusive legalmente falando. Lula para não ter que responder por nada, não só do que fez de criminoso, ele está tentando derrubar e depois voltar como bombeiro do próprio incêndio. Bolsonaro idem. O nome disso é excludente de licitude, é a anistia previa para não ter que pagar nem que responder nas cortes supremas pelos atos que você já pretende cometer. Você primeiro legaliza o crime depois comete. E não comete o crime e depois manda o STF ou o legislativo descriminalizar e legalizar. Dã. Para variar a ordem dos fatores altera não só produto, mas o futuro.

Logo, está aí a resposta a quem interessa. A quem interessa não responder seus atos já praticados e os que vai praticar. Você? Ou eles? Você é traficante, miliciano? Quadrilheiro? Roubou alguém? Cometeu ou vai cometer algum crime. Precisa de algum licença legal para isso. Precisa de um cargo no governo para fugir da lei, de uma lei para fugir do fez dentro ou fora desses privilégios autoritários do autoritarismo? Tá metido em falcatrua? Assassinato?

A quem interessa criminalizar descriminadamente ou indiscriminadamente? Ou vice-versa descriminalizar discriminadamente ou discriminatoriamente? A quem interessa descriminar indiscriminadamente o criminalidade? Ou criminalizar indiscriminadamente a sociedade? Legalizar o crime da discriminação? Ou ainda criminalizar a descriminação da legalidade criminosa? A quem interessa a ditadura da legalização da discriminação e criminalidade? E a criminalização da luta tanto contra o crime da discriminação contra o crime da própria criminalização da luta contra a criminalidade discriminada como o ditado da descriminação ou discriminação deste ou daquele regime. Porque tanto faz se se o ditado se escreve com e ou com i, a forma formalidade, não muda a essência do conteúdo: ditadura.

Não isso não é um jogo de palavras ou uma mera questão de semântica. Mas não é. Se fosse um charlatão ou um vigarista diria que isso é a reengenharia neuro-linguística, mas como não quero vender curso, nem eleger palhaço, vou dizer o que é: é pura reflexão semiótica aplicada a epistemologia. Olhar a raiz das intenções por trás das narrativas que se dizem fatos, cuspir fora a ideologia e para da ideia mesmo que seja uma mentira descobrir a verdade, a essência com o qual até o mentiroso compõe suas ideias, mesmo as mentirosas, a verdade, mas pode chamar de realidade. Com isso você não só sabe o que andou fazendo, mas o que eles andam querendo fazer.

Lula quer tacar fogo em tudo para dizer que tudo não passa de um grande estado criminoso como prova da sua santidade martirizada. E pede tanto fogo e habeas corpos quanto fogo nos tribunais que o perseguiram como prova da sua pureza e purificação da sua candura e claro candidatura. Bolsonaro quer o mesmo, habeas corpus preventivo, licença não pelo que já fez, pelo que ainda vai mandar fazer, ou se já fez, ainda não foi pego, de modo que se ou quando o for também já tenha o remédio e divina providencia jurídica pronto e não improvisada.

Comecemos por Lula.

Esse só quer manifestações se elas não forem pacificas. Porque a manutenção da ordem legal vigente não lhe serve de nada. Tem que ter quebra ou pelo menos troca da ordem vigente, de preferencia com queima de arquivo. Com ou sem manifestações, na santa paz ou não, a coisa pública só não pode ficar como esta. Precisam que a ordem legal voltem ao que para eles a mais absoluto normalidade jurídico-legal, a anterior. Sem uma coisa nem outra, que Bolsonaro então fique no poder, mas sangrando, para que possam retomar o poder. Não importa o quanto o pais e o povo sofra junto. Quanto mais o povo sofrer com ele ou por causa dele, melhor para eles, porque menor a rejeição do povo para com eles. Agora se o governo começar a acertar, ai sim, você vai ver o tal “Fora Coiso” porque o sucesso dele é o prego no caixão.

Mas nada mais estupido do pedir para Satanás enterrar o Capeta. Dá no mesmo. Nisto essas crendices demonológicas como todo mito tem lá sua razão, o cramunhão tem muitos nomes, muitas caras, e seu nome é legião porque são muito. (Adoro falar essas merdas). Nisso até “respeito” mais a vigarice de um Olavo de Carvalho de que a desses pastores e marqueteiros, porque o ideólogo resolveu passar o seu 171 nesse bando de idiota analfabeto funcional da vida e da literatura que se acha bem formado e informado e não enganar gente pobre e desesperado com hocus pocus as vezes até com titulo universitário de quinta. Se ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão. Vigarista que engana vigarista tem quanto? Mas quem garante esperto que devora o esperto também não esteja a ser devorado por um peixe maior, ou pior pela própria esperteza em si, a vigarice? E eis que lá vamos nós ladeira abaixo.

Mas antes que eu me esqueça, Bolsonaro.

Bolsonaro também não quer manifestação nenhuma. Salvo em apoio e culto a sua imagem, “a dele, o Mito, e não a de Moro hein porra. não fode”. Pode até ter quebradeira, de vagabundo, segundo sua lei e ordem de excludente de licitude, ou seja, depois de aprovado mais poderes para botar ele e ninguém mais para quebrar. O conceito é simples: pego autorização para cometer o crime primeiro. Assim não respondo. Depois. Ao invés de cometer o crime primeiro e depois ter que me livrar dele depois. Pokemon Lula. Evolui para Pokemon Bolsonaro. Porque Malandro, é errando que se aprende incluso com o erro do adversário. Não vai funcionar. Nem para ele, nem muito menos para os soldados e comandantes. Mas volto a essa questão mais a frente.

Agora que ele descobriu que a caneta Bic é sua nova pistola, e porque a pena é mais forte que a espada, quando ela não vale mil palavras mas mil espadadas e fuziladas. Já era. Macaco na cristaleira? Não meu amigo, mosca azul se lambuzando no melaço, plantando suas larvas cercado de outras moscas azuis com verme ou já querendo bater asas e voar.

E otário do juiz, comandante ou soldado que entrar nessa porque ele vai responder pelo crime do mandante. Porque na idiocracia, o ditador, quem dita nunca assina embaixo o ditado, a menos que seja um idiota. O pacto estato-social é tácito, ou se preferir o ordenamento socio-hierárquico da jurisdição não só domestico nacional mas das internações da da norma e normalidade da ordem do arcabouço paradigmático inter-nacional é à parainformacional infraconstitucional a forma e norma, o rito e culto. Um estado de coisas que papelada não derruba, mas também pelo mesma razão não sustenta de pé. E nisto dá-lhe estupidez.

Porque parece que as pessoas estão perdendo a noção do que é legitimidade, nem muito menos bondade e honestidade é garantia de realidade, concretização nem muito menos sucesso de coisa alguma. Estão ficando criancinhas. Achando que porque fazem as coisas certas, as coisas tem que dar certo. Quando não existe nenhuma correlação necessária cientifica entre o certo e o errado e o verdadeiro e falso, o bom e o mal, salvo aquela que a livre vontade confere aos atos e fatos e não por força bruta, mas por inteligencia, isto é por capacidade de efetuar a correspondência do ideal com o real incluso da transformação do real no ideal, o que não se processa com ideologia, mas com ciência e consciência. Mas já parece que as pessoas acreditam que ou basta agregar o termos corretos, ou politicamente corretos, ou impor a correção pela força de fato que a as leis da física e natureza vão funcionar conforme os god-will ou desejos reais deles, sejam esses desejos e ideologias deles bons ou ruins. A sintomatologia clássica da loucura. Eles realmente acreditam que podem com ideologia e porrada e toneladas de manipulação das massas moldar a realidade as seus desejos reais bastante tomar o poder par ditar o que quiserem como real e legal. Se assim caem até os impérios e potências mais avançadas, que se dirá as províncias mais atrasadas supersticiosas e divididas.

Ou em outras palavras pouco importa se a população está a ser manipulada domesticamente por A e internacionalmente B, estejam eles unidos ou competindo. Se quem detém ou se arroga o monopólio territorial sobre o ministério da fazenda e violência supostamente legitimada, fica com esses papinhos de traficante ou miliciano de morro, avisando investidor internacional que vai descer o sarrafo no gado. Se esse é o naipe de segurança social, trabalhista e jurídica do país que espera trazer capital de investimento produtivo qualificado para o país, é porque tem gente pensando em copiar o modelo Chines de “capitalismo estatal”, mas se esquece que a China passou por uma revolução cultural. Pero no mucho…

A terra no Brasil não é redonda, nem plana, ela é de cabeça para baixo mesmo.O Brasil é o mundo invertido. Onde os bandidos se alternam e se batem armados no governo, e o povo morre marginalizado empobrecido e criminalizado nas ruas, trabalhando até morrem mas chamado de vagabundo por quem vive do negócio de roubar o produto do trabalho. É o roubo, a escravidão e o assassinado legalizado como monopólio estatal devidamente legalizado para o rei os amigos do rei, com outros nomes mais modernos. Mas rigorosamente o mesmo regime. Não é a toa que escravagistas e monarquistas e racistas perderam a vergonha na cara e queiram agora rasgar a fantasia e sair nus pelas ruas. Por que a hipocrisia? Não importa se como republica, democracia, continua uma província corrompida e atrasada sob o mesmo império real de outra realidade a alienação a interesses alheios fortemente determinada a permanecer como sob o domínio do destino manifesto de qualquer outro estado-nação que estiver pagando mais pagando mais para nossas oligarquias degeneradas.

O sujeito inocente pode não compreende bulhufas que sua natividade já foi prejulgada e sua vida semioticamente condenado a prisão epistemológica de uma cela. Pode não entender que o sentido da sua vida foi encerrado em uma matriz predeterminista e reduzido ao mero encadeada de um função alienada marginal-apartada dentro desse arcabouço da sujeição, expropriação e objetificação das suas propriedades intelecto-conscientes e consenso-sensuais. Mas se não sente que da desigualdade de autoridade mata a liberdade, e que a ditadura de discriminadores de qualquer espécie, redunda em ditadura de criminalizadores da liberdade dos opositores e legalização dos seus crimes como tirania totalitária, então isso não é de fato uma ditadura nem uma democracia, mas uma idiocracia, porque a lavagem cerebral está completa, e a de fato ele você deve obedecer, porque sua alma vendida ou não tem dono, mas não chame isto de pacto social. Porque com outro membro de sociedade este pacto não é. Nenhuma sociedade se funda nem renuncia de liberdades ou vontades.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.