Desisto virei comediante: Golpe só na “legalidade” o negócio é interditar a presidenta

Desisto, não consigo mais escrever com seriedade. É insanidade demais; mania persecutória, conspiratória demais… até pra mim. Parei. Vou ser comediante. Os oposicionistas dizem que os governistas são estúpidos demais: não conseguem se estabilizar nem quando os oposicionistas lhe seguram. Os antagonistas dizem que a oposição é mais parva ainda porque não conseguem derrubar o governo nem quando este faz de tudo pra cair completamente sozinho. Mas se eles são idiotas, que tipo de imbecil sou eu que obedeço?

Não, eles não são idiotas. Idiota somos nós. Que ainda esperamos qualquer atitude razoável, de gente completamente alucinada pelo poder. Idiotice é tentar chamar a razão gente completamente viciada em poder. Nada é mais patético do que tentar construir uma critica séria de país diante do realismo absurdo que se instaurou no Brasil. Mas o ser humano é assim mesmo, renegamos o absurdo e nos acomodamos por mais perigosa e real que seja uma ameaça como se fosse banal. A tendência é dizer para si mesmo que o absurdo não imperará, mesmo que a história mostre o contrário: que é a insanidade pelo Estado, para o Estado e no Estado tende a crescer quanto maior for a crise. E no final quem prevalece infelizmente são fanáticos e de todos os credos, times e partidos.

Esqueçam esta nova história de país da corrupção: se malufava antes do PT e faz tempo que o PT malufa em nome “da causa”. O Brasil virou agora o país da insanidade mesmo. Políticos babando por poder, e um povo em normose assistindo eles fazendo o que quiserem. Sociedade da informação? Democracia Direta Digital? Esquece aqui as discussões e disputas políticas são literalmente de outro mundo, das maiores autoridades destas e de todas “galáxias”. Só falta mandar construir a Estrela da Morte com o dinheiro desviado.

Não dá pra falar sério. Virei comediante. E olha que de normal nunca tive nada, já fundei igreja que não pedia dízimo e já distribui dinheiro sem pedir nada em troca, mas desisti de pregar seriamente as coisas que eu acredito. Só mesmo de brincadeira.

Aliás, prefiro ser um comediante sem graça de esquerda do que um moralista esquerdista. Prefiro a companhia de comediante de direita non-sense, mas que defenda a liberdade do que essa esquerda amante da censura e autocensura. Aliás, já disse eu algum lugar, mas repito: melhor a companhia dos canalhas sem ideologia nenhuma que ofendem, mas não querem botar a mão em ninguém do que dos moralistas e hipócritas que acham que podem deter e calar os outros a força, ou pior a ameaça do monopólio dela.

Você conhece a piada do banqueiro: o avião está caindo e o banqueiro falou para os passageiros calma gente, ninguém pode tirar o piloto do avião não importa se ele não sabe pilotar ou enlouqueceu, se ele é honesto como eu, tem que ficar. Mas não vou contar o final da piada por que eu não sei não…nem ele… nem ela… mas aperta o cinto e fica aí sentadinho que você descobre. Moral história: não tenho mais dúvidas, dono de banco voa de jatinho particular. Tenho uma contraproposta pro dono do Itaú: gosta da presidenta? Gosta do Mercadante? Põe eles para pilotar o Itaú. A gente ainda te manda o Cunha, o Renan e o Aécio de brinde. E se pedir pro seu amigo tirar o Levy nem precisa pechinchar: vai o congresso e o planalto inteiro e ainda pago duas breja e o busão! E aí, tem negócio, topa tudo por dinheiro? Acho que não. Pode-se sair da mais cretina política desenvolvimentista de esquerda para a mais obtusa ortodoxia de direita, mas fazer o evidente jamais. Nem quando os políticos sequestram o Brasil, não é? Só que agora, o resgate do “custo Brasil” é impagável. E por quê? Porque não há quem pague para tirar este bode da sala. Nem quem colocou. Não importa o quanto ele cague, o preço de tirar é mais caro do que deixar ele lá, e dá-lhe cagada.

É, não sou engraçado, sou pedante. Mas não me levo a sério ao ponto de achar que posso censurar as outras pessoas nem obriga-las a fazer o que acho certo. Não, eu não acho graça na loucura, e sim eu vejo o quanto a loucura pelo poder é perigosa, mas é que o mal do poder que se alimenta do terror e da tragédia só tem uma cura na comédia. Não, Lord Akton estava errado o poder total não corrompe absolutamente, ele enlouquece. O poder promove um distanciamento da realidade que não só compromete a funcionalidade do doente, mas afeta todas suas vítimas que estão sob sua mania de mando, e não tem outro tratamento social senão o que o povo indígena ensinou a Pierre Clastres: o desdém e o escárnio benigno da comedia.

Por isso, chega de proposta séria. Só faço proposta coerente com a loucura que reina e concordo com tudo: Impitimam é golpe. Cassação de bandido é perseguição política. E tarja em suspeitos é proteção à inocência. Que morram, pobres, pretos, aposentados, grevistas, manifestantes! Salvem o governo, o congresso, a Globo, bancos e as empreiteiras! Em nome das instituições lanço a campanha: Chega de golpe. Impitimam só na legalidade. Isonomia malufista para todos os políticos, cadeia nem roubando. Chega de intervenção militar, o negocio é a interdição psiquiátrica mesmo. Golpe só em caso de surto psicótico. Impitimam não, golpe só em caso de interdição. Aliás não. Esqueçam coxinhas, não vai dar certo mais esta manobra golpista: eles não saem nem com a interdição da presidenta. Fica Presidenta. Fica com todos governistas, oposicionistas e cobras criadas. Isto mesmo: Fica, Dilma. Volta, Cunha. Vem, Aécio. Sai não, Temer. Vai, Renan. Fiquem de vez com Brasília. Não querem voltar com os manicômios mesmo? Pois bem, a gente já manda todos os maníacos pra lá; melhor é salvar a população de Brasília (que a gente já ferrou) e trancar eles por lá mesmo — já se encastelaram em seu mundinho a parte de qualquer jeito. Tira não, contraria não. Gente louca é melhor não contrariar, pode ficar violenta.

Mas não me leve a sério, não. Tudo isso é uma grande piada. Nós é que não entendemos nada, eles não estão fazendo política econômica, estão fazendo arte abstrata. São uns incompreendidos. A vanguarda da classe política brasileira junta com a elite empresarial está fazendo um novo Brasil: vem aí uma nova vertente anarquista: O anarquismo de Estado. E eu sonhando com repúblicas libertárias. Ah, admirável país do futuro: Brasil, Patria Anarco-autoritária. junte-se a eles: Why sou serious, son? Desgoverne-se.

Written by

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store