Chora que deu merda: o “Dar a Cesar o que é de Cesar” e a Pedagogia do Sofrimento

A excrecência das armas químicas, biológicas e psicológicas na eterna guerra do ethos anti-liberal (travestida de liberalismo) e anti-social (travestido de socialismo) das escatológicas “democracias de fachada” da América do Sul.

Merda ou gás lacrimogênio?

Definitivamente a ditadura brasileira não quer mesmo ficar para trás da venezuelana: está também indo merda… literalmente (e nos junto a força…)

Nada como um governo obrando…

Quando li a noticia pensei que se tratasse de alguma fakenews, ou confusão. A carta seria apenas mais documento ou projeto de lei recebida pelo presidente da casa, ou obrada por ele mesmo. Mas não é sério. A revolta no Brasil é entrou na fase das bombas de merda venezuelanas, só que ao invés de cocotov, o atentado contra a autoridade é na base da carta bomba de merda… O assunto está inclusive sendo tratado como caso de investigação policial, como entre os bolivarianos. Resta saber se também vão considerar isso um “atento biológico”…

E a policia está investigando o atentado biológico. Será que vão seguir a linha bolivariana de investigação?

Marielys Valdéz, do Tribunal Supremo de Justiça, entretanto, alertou que os “cocotov” são considerados “armas biológicas” — e que quem for utilizá-los corre o risco de ser severamente punido.

“O uso de armas químicas, neste caso, fezes de pessoas ou animais, geram consequências não só para quem é o alvo da arma, mas para a população, pode contaminar as águas”, destacou.

A apresentadora do canal estatal VTV que entrevistava Valdéz qualificou o uso dos “cocotov” como “bioterrorismo”.- As ‘bombas de cocô’ que se tornaram ‘último recurso’ de manifestantes contra Maduro na Venezuela

Moral escatológica da história : merda, bala e gás na cara dos outros é presente…

Pedagogia da libertação ou do sofrimento?

Agora piadinhas bobas a parte… segue uma série de matérias da BBC sobre as verdadeiras armas proibidas e o cúmulo da lógica do absurdo destes regimes de merda e sua hipocrisia tão criminosa quanto a suas obras…

Comum em protestos ao redor do mundo para dispersar multidões, o gás lacrimogênio é proibido em guerras.

Ele foi testado pela primeira vez durante a Primeira Guerra Mundial, com o objetivo de forçar soldados inimigos a deixar suas trincheiras para serem atacados com artilharia ou outras armas.

Com o passar do tempo, foi perdendo seu uso em conflitos armados até ser proibido, em 1997, pela Convenção Sobre Proibição de Armas Químicas, firmado por 178 países.

A Convenção proíbe seu uso como arma de guerra, tendo em vista o poder letal do gás quando em alta concentração.

“Ele está proibido na guerra porque supostamente não se deve usá-lo como arma ofensiva”, explicou à BBC Mundo Anna Feigenbaum, professora da Universidade de Bournemouth, na Inglaterra, que publicou um ensaio sobre a história do gás na revista The Atlantic.

“A exceção para o uso pela polícia ocorre porque o gás não está sendo usado como uma arma, e sim como um agente de controle”, acrescentou.

El que piense que vivimos en un mundo dominado por la austeridad y la falta de inversión empresarial no se ha fijado en los números de la industria del gas lacrimógeno y los jugosos contratos que están recibiendo de los gobiernos.

Aquí se rompe el molde. Desde la Primavera Árabe, el mercado de seguridad interna en el Medio Oriente tuvo un incremento del 18% en su valor, rozando los 6.000 millones de euros en 2012.

El gas lacrimógeno ha sido una herramienta central en el desalojo del Parque Gezi en Estambul este fin de semana y en la represión a las protestas en Río de Janeiro contra el excesivo gasto en la organización de la Copa Mundial de fútbol del año próximo.

Egipto y Túnez están aumentando sus compras de material antidisturbios en momentos en que negocian préstamos con el Fondo Monetario Internacional para cubrir sus baches presupuestarios. En la eurozona de la austeridad las cosas no son demasiado diferentes.

El presupuesto 2012 del gobierno español de Mariano Rajoy contempla recortes en prácticamente todas las áreas, pero en material antidisturbios el gasto se eleva de unos 173.000 euros a más de tres millones en 2013.

Anna Feigenbaum, que investiga la historia política del gas lacrimógeno en la Universidad de Bournemouth en el Reino Unido, estima que austeridad y aumento de los gastos de seguridad van de la mano.

"Con la austeridad ha habido una gran intensificación de las protestas y del uso del gas lacrimógeno. Grecia ha estado a la vanguardia en este respecto", indicó a BBC Mundo.

En otras palabras, para la industria del gas lacrimógeno, nada como las crisis económico-sociales.

Um Mercado Global

Turquía ha sido uno de los casos con más cobertura mediática, pero un mapa de las protestas planetarias y del uso de gas lacrimógeno, elaborado por Feigenbaum, muestra la extensión de este mercado desde enero de 2013.

Según se aprecia en el referido la mapa, las protestas (y el uso de gas lacrimógeno) van desde las manifestaciones por la violación de una mujer en India a las de estudiantes en Chile y maestros en México, o las de trabajadores en Francia y España.

La organización internacional "War Resister League", que tiene una campaña específica contra el gas lacrimógeno, ha identificado la presencia de compañías estadounidenses como Combined Systems Inc , Federal Laboratories y Non Lethal Technologies de Argentina a India; de Bahrén, Egipto e Israel a Alemania, Holanda, Camerún, Hong Kong, Tailandia y Túnez.

La brasileña Condor Non-Lethal Technologies, una de las principales proveedoras de Turquía, vende sus productos a 41 países.[ Grifo meu]

El complejo militar-industrial-gubernamental

Estas empresas son parte de lo que el expresidente de los Estados Unidos Dwight D. Eisenhower definió como complejo militar-industrial.

En la ecuación de Eisenhower faltaba el tercer término: el gobierno.El complejo militar-industrial-gubernamental suele entrar en conflicto con la diplomacia y la retórica sobre derechos humanos.

En medio de la Primavera Árabe, compañías estadounidenses exportaron unas 21 toneladas de munición, equivalentes a unas 40.000 unidades de gas lacrimógeno.

En términos de manejo de protestas, nada ha cambiado con la "democratización" egipcia. Este año el ministerio del Interior ordenó unos 140.000 cartuchos de gas lacrimógeno al mismo elenco de exportadoras estadounidenses.

En febrero, el portavoz del departamento de Estado, Patrick Ventrell, defendió el otorgamiento de licencias para la exportación a estas compañías diciendo que el gas lacrimógeno "salva vidas y protege la propiedad".

En respuesta a las preguntas de Gerardo Lissardy de BBC Mundo en Brasil, la compañía Condor Non-Lethal Technologies usó argumentos similares.

"Las tecnologías no letales están diseñadas para incapacitar temporalmente a las personas sin causar daños irreparables o muerte. Sus efectos son totalmente reversibles. Según una recomendación de la ONU en 1990, la policía tiene que hacer un uso proporcional de la fuerza por medio de armas no letales en consonacia con los derechos humanos y el respeto a la vida", señaló un portavoz de la organización a BBC Mundo.[grifo meu]

La palabra clave es "no letal" (non lethal), expresión que figura en el logo de muchas compañías.

Gas lacrimógeno, armas químicas y Siria

En la I Guerra Mundial el gas lacrimógeno fue clasificado como un producto químico. Desde entonces ha habido un continuo deslizamiento semántico de obra y gracia del complejo industrial-militar-gubernamental, según Anna Feigenbaum.

"Las armas que pueden matar gente no pueden ser no letales. Lo que pasa es que por presión de los gobiernos y las corporaciones, se cambió el nombre de 'arma química' a 'irritante químico' o 'instrumento de control de disturbios'. Esto ha producido una normalización. El gas lacrimógeno que se comenzó a usar en el "control de multitudes" en la década del 30, se generalizó a partir de los años 60", señaló a BBC Mundo.

Una investigación que ordenó el gobierno británico sobre el uso del gas lacrimógeno a fines de los 60 en Irlanda del Norte habría contribuido en forma particularmente significativa a esta normalización.

La investigación concluyó que no constituía peligro ni siquiera para las embarazadas o los ancianos, una afirmación duramente criticada por Amnistía Internacional y Médicos por los Derechos Humanos.

Estas organizaciones sostienen que no se necesita ser mayor o estar embarazada para sentir efectos "irreversibles" de estas armas no letales. Entre las muertes más recientes atribuidas al uso de gas lacrimógeno figuran la del adolescente Ali al-Shiek Bahrain el año pasado y el palestino Mustafa Tamini a fines de 2011.

"Sorprende que el mismo tiempo que Estados Unidos aprueba el suministro de armas a rebeldes sirios por la supuesta evidencia de ataques químicos ordenados por el gobierno de Assad, condone la exportación de gas lacrimógeno. Ningún gobierno debería aprobar o pagar por el uso de armas químicas", dijo a BBC Mundo Kimber Heinz de la War Resister League.

El palo y la zanahoria

El arte de gobernar se ha equiparado con frecuencia al manejo del palo y la zanahoria, como se conoce popularmente el sistema de premios y castigos estudiado por la Psicología Social.

En la Europa "social" de la posguerra, la zanahoria era el Estado benefactor que buscaba proteger a la población de los avatares de la vida.

Con los actuales niveles de desempleo y un recorte continuo de las prestaciones sociales, parece quedar poco de la zanahoria: su lugar lo ocupa el palo a secas.

En el mapa del uso del gas lacrimógeno se encuentran varios países europeos: Bélgica, Alemania, Francia, España.

El complejo industrial-armamentístico-gubernamental, poderoso en Estados Unidos, tiene su correlato en la Unión Europea, tanto en países como el Reino Unido que no se manejan con el euro como en la eurozona misma.

La crisis de la deuda soberana es un ejemplo. Mientras la Troika impulsaba un ajuste del gasto de Grecia en plena crisis, Alemania, Francia y Holanda presionaban al gobierno griego para que mantuviera el gasto militar del que dependían varios contratos.

Este complejo es responsable de una contínua redefinición de los términos, como se evidenció en la exposición en Londres de productos para la lucha contra el terrorismo este abril, que tenía al gas lacrimógeno entre sus productos estelares.

"Desde 2001 la industria del antiterrorismo ha crecido mucho y en los últimos años se ha visto esta equiparación del disenso civil con el antiterrorismo", señala Feigenbaum.

La exposición calculaba que la industria antiterrorista en su conjunto crecería un 20% para el final de la década.

Si se añaden estas estimaciones a la reinterpretación en curso del tema del palo y la zanahoria, se puede concluir que la industria del gas lacrimógeno tiene un futuro promisorio. -El gas lacrimógeno, un negocio en alza

E a “economia e democracia liberal” brasileira como lida com a questão?

Na Venezuela

https://oglobo.globo.com/mundo/brasil-interrompe-exportacao-de-gas-lacrimogeneo-venezuela-diz-agencia-21493385

E no Brasil?

Renata foi uma das 300 mil pessoas que lotaram a avenida Presidente Vargas na caminhada em direção à prefeitura. A marcha começou pacífica. “O clima era de total euforia, parecia Copa do Mundo”, diz. Mas acabou sendo a mais violenta da onda de protestos de junho.

Grupos de vândalos deixaram uma trilha de depredação na avenida Presidente Vargas, quebrando semáforos, pontos de ônibus, vitrines e ateando fogo a pilhas de lixo.

Tropas do Batalhão de Choque usaram bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar a multidão, que recuou de volta para a Igreja da Candelária, onde a manifestação havia começado.

Ali, diz Renata, a polícia não fazia distinção entre os vândalos ─ “aqueles caras escondendo os rostos, jogando pedra, bomba caseira” ─ e a maioria pacífica. Ela e um amigo ficaram sem saber para onde fugir nas ruelas do Centro, apavorados.

“Eu não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo. É como se eu estivesse sendo perseguida pela polícia sem entender por quê, sem saber o que fiz para ser perseguida.”

Ela diz se lembrar de ter visto dois policiais da Tropa de Choque da Polícia Militar em uma ruela. Algo foi lançado em sua direção. Ela tentou desviar, mas depois de um estouro e um clarão, seu rosto estava coberto de sangue.

Desde então, Renata já foi a diversos médicos mas o diagnóstico é o mesmo: ela perdeu a vista do olho esquerdo. A publicitária está entrando com uma ação indenizatória contra o Estado para tentar recuperar os milhares de reais que vai ter que gastar com cirurgias. -Confrontos acirram debate sobre métodos e cultura da polícia do Rio

O julgador explica que agir nada mais é do que manter a ordem pública garantindo o direito de reunião e de manifestação. Para Andrade, o argumento da PM-SP, de que seus atos tinham como objetivo zelar pela proteção dos manifestantes é apenas um subterfúgio. “Está, em verdade, a retirar a liberdade daqueles que querem, pacificamente, se reunir para exercerem um direito fundamental que a Constituição de 1988 assegura-lhes.”

Ao condenar a PM-SP, o juiz da 10ª Vara de Fazenda Pública destacou que o uso de balas de borracha e gás lacrimogêneo só deverá ocorrer em situações “excepcionalíssimas”, ou seja, quando o protesto perder totalmente seu caráter pacífico. Sobre o planejamento, Andrade explicou que a medida deverá contar as condições em que haverá a ordem de dispersão, considerada como “providência-limite”, o tipo de oficial responsável por determiná-la e quais circunstâncias justificarão o ato.

Em 2013, durante as manifestações, a PM-SP foi criticada por parte da imprensa por seus abusos, incluindo prisões desnecessárias e injustificadas, além de agressões totalmente desmotivadas. Um exemplo disso foi um repórter da revista Carta Capital que foi preso por portar vinagre em sua mochila — a substância é conhecida por inibir, quase que imediatamente, os efeitos do gás lacrimogêneo.

Outro exemplo foi a prisão de um morador de rua — posteriormente condenado a 5 anos de prisão — , justificada porque ele carregava pinho sol e água sanitária. O laudo, da Polícia Civil, destacou que a possibilidade de as substâncias serem usadas para fabricar coquetéis molotov, conforme constava na acusação, era “ínfima”. -Despreparo da PM-SP gerou violência em protestos de 2013, diz juiz

Privação de sono, pauladas, tarefas em salas impregnadas de gás lacrimogêneo e pimenta, almoço misturado com água e consumido com as mãos imundas de terra e pus, humilhação e assédio moral praticados por superiores.

As cenas, registradas em um curso recente de formação policial no Brasil, se repetem pelo país. Expõem ainda o predomínio, no treinamento das PMs, de uma “pedagogia do sofrimento” que acaba por alimentar a violência de seus agentes nas ruas.

Leia também: As inglesas que usaram o jiu-jitsu para lutar pelo direito ao voto

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Twitter e no Facebook!

A conclusão é do capitão da PM da Paraíba Fábio França, que colheu relatos de participantes de um estágio de aperfeiçoamento realizado em agosto de 2014 em uma Polícia Militar do país — o Estado não é revelado na pesquisa porque os chefes da corporação pediram para “resguardar a imagem da instituição”.

Mestre e doutor em sociologia, França especializou-se no estudo da formação dos profissionais de segurança pública no Brasil.

Com 35 anos de idade e 13 de PM, o capitão cunhou a expressão “pedagogia do sofrimento” para caracterizar o modelo de cunho militarista que, segundo ele, predomina na educação policial no país, baseado em valores como masculinidade, virilidade e exaltação ao combate bélico.

Para ele, essa pedagogia está ligada a um “ethos (conjunto de costumes e hábitos) guerreiro”, que legitima a “construção de uma vontade bélica de proteger a sociedade”.

“A crença geral é que o treinamento baseado em violência psicológica, moral e até física é necessário para condicionar o corpo e a mente dos soldados para vencer o medo e o perigo e ter coragem para o embate no que seria uma guerra urbana”, afirma França, que relaciona o fenômeno ao que aponta como “herança ditatorial” das PMs brasileiras.- ‘Rituais de sofrimento’ em treinamento alimentam violência policial, diz capitão da PM

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório Regional para América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) condenam nessa sexta-feira (26) o uso excessivo da força por parte da Polícia Militar para reprimir protestos e manifestações no Brasil. Do mesmo modo, condenam a violência policial em operações de segurança no espaço urbano e no marco do conflito de terras. (…)

Os dois organismos condenam todo ato de violência e urgem os manifestantes a exercer seus direitos à livre manifestação de forma pacífica, ao mesmo tempo em que reafirmam que a ação das forças de segurança deve respeitar a todo momento as normas internacionais de direitos humanos.

Adicionalmente, a CIDH e o Escritório Regional para a América do Sul do ACNUDH expressam sua profunda preocupação pelo uso excessivo da força por parte das forças de segurança do Estado brasileiro em operações tanto no marco do conflito de terras como no contexto da remoção urbana de dependentes químicos usuários de drogas ilícitas.

Por exemplo, recebeu-se informação preocupante sobre o uso recorrente da violência no marco do conflito agrário, em especial contra trabalhadores sem-terra. Nesse contexto, no dia 24 de maio, dez pessoas foram mortas durante um despejo violento realizado pela polícia civil e militar em uma fazenda no estado do Pará. A CIDH e o Escritório Regional para a América do Sul do ACNUDH urgem as autoridades a investigar esses fatos e outros atos de violência, a fim de identificar e punir as pessoas responsáveis e, assim, combater a impunidade e evitar a repetição de atos similares.

Além disso, no dia 24 de maio várias pessoas ficaram feridas na região conhecida como Cracolândia, na cidade de São Paulo, durante uma operação de segurança para remover das ruas dependentes químicos usuários de drogas ilícitas. De acordo com a informação recebida, a operação teria incluído a demolição de um prédio que estava ocupado, o despejo de moradores e comerciantes da Cracolândia e o uso de bombas de gás e balas de borracha para reprimi-los.

“Quem esse pessoal dessas organizações aí acha que é, para ficar metendo o nariz onde não é chamado?”

Eles respondem:

“A CIDH é um órgão principal e autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo mandato é definido pela Carta da OEA e pela Convenção Americana sobre Direitos Humanos.”

E eis que voltamos ao que une as ditaduras caudilhescas das repúblicas de merda a direita e esquerda que se alternam no poder ao sul da América:

Onde o gás lacrimogênio é apenas uma das muitas armas não-letais para “pacificar” a população revoltada:

Ou como diria por aqui o datenistas: um vagabundo mascarado a menos…

Globo:“Manifestante é baleado por policial durante protesto em Caracas (Foto: Carlos Garcia Rawlins/Reuters)”

Aqui é assim… cada povo como seus rituais culturas e ditaduras de estimação e apologia da violência desde que a favor da sua ideologia.

Não sei, acho que errei de novo no título, não é a ditadura, é o povo que esta sendo engolido pela merda dos seus governos bandidos e autoritários. Há ainda quem discorde. Nada que um pouco de gás lacrimogênio e pedagogia do sofrimento não cure, já que para o resto já se perdeu não só a visão, mas até o olfato.

Deixa o homem trabalhar, perdão, obrar…

Nota (des)oficial: Essa merda foi editada, não fui eu. PS: Mas, tem que continuar fazendo isso aí,viu?

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.