BNEI ANUSSIM

Também me interesso muito pela história dos muitos povos perseguidos e desterrados, que sofreram (e sofrem) ainda com diásporas, colonização, escravidão e extermínio; suas estratégias de resistência e sobrevivência contra os genocídios e etnocídios sistematizados e institucionalizados no durante e no depois, como busca e resgate das identidades perdidas tantos dos sobreviventes quanto da memória daqueles que foram tratados, exterminados e denominados como animais. E de um modo bastante similar ao seu, tanto no que no plano da inspiração pessoal quanto inspiração profissional para meu ativismo libertária.

Estudando sobre a perseguição católica no Brasil dos cristão-novos e “marranos” me deparei com um trabalho da FFLCH-USP extremamente atual que creio que dialoga com seu artigo e talvez também lhe interesse…

Compartilho:

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.