As ditas reformas contra o “Efeito Trump” e a idiotia suicida de uma tecnocracia

Trump não é causa é consequência e estamos a um passo ou da revolução ou da ditadura, tudo vai depender da nossa coragem para desobedecer ordem criminosas

Eles continuam apostando na formula ideal para incendiar um pais e trazer de volta ditaduras: cortar os direitos da população para manter todos os privilégios de uma classe politica criminosa no poder:

Quais “reformas”? Estas?

Então vocês não vão conter efeito Trump, vão amplificá-lo. Trump surgiu da exclusão e descontentamento não das minorias e marginalizados, mas de uma MAIORIA. Descontentamento com um sistema corrupto e elitista, com uma institucionalização e negacionismo da sua condição precária crescente. E estamos falando dos EUA, onde no plano doméstico, há uma diferença abismal entre as classes políticas e instituições.

E mais o que ocorreu foi um produto da negação da necessidade urgente da constituição de novos instrumentos de proteção social mais universais e baratos, frente a precarização do ultrapassado do sistema de bem-estar social. frente as revolução informacional do sistema produtivo e portanto do trabalho. É perfeitamente possível ampliar serviços e programas de proteção social, basta basicamente eliminar o custo politico (leia-se burocracia e corrupção). Basta cortar os intermediários. E aí é que está todo o problema: burocratas, tecnocratas e demagogos junto com de bancos e empresas subsidiadas pelo governo são eles que devoram uma fatia muito maior dos impostos, e para prestar serviços porcos, quando prestam. Essa gente não vão largar a teta, não antes de matar a república.

Por isso, não vai colar essa historinha de criminalização da politica, porque a criminalidade da politica é um fato publico e notório, e tudo o que o populismo precisa fazer não é nem denunciar o problema mas vender-se como única solução para quem com razão está revoltado com o poder, mas ainda não se libertou do mito do salvador da pátria.

O fato é que quem está sendo criminalizado é o social e quem está sendo punido é a população e os servidores públicos, enquanto a politica trama para liberar os sua classe criminosa e legalizar seus crimes. E notem que quando falo criminosa não estou usando em sentido libertário e humanitário, mas criminosa até aos olhos de autoritários que não acredita em direitos humanos! — e esse é o grande perigo.

Se antes tinhámos um partido isolado no poder, agora temos cada vez todos os poderes isolados contra a população cada vez mais enojada e revoltada. Uma população que enxerga na Lava-Jato a sua última saída institucional dentro desse sistema, e na subtração dos seus direitos ou aumento de imposto, mais um roubo de quem derrubou o país roubando.

Por isso, no Brasil o problema não é só a falta de iniciativa para colocar de pé novas leis e programas de proteção social mais avançados para fazer frente aos desafios da revolução do trabalho e produção. O desafio é a supressão das leis de proteção social já precárias e ultrapassadas para manter os privilégios e recursos fluindo para uma classe politica e economia corrupta, machista, racista e cada dia mais decrépita.

Derrubar a lava-jato. Acabar com direitos trabalhistas. Ignorar a necessidade de aperfeiçoamento dos programas sociais. E ainda por cima tudo isso para manter um sistema não apenas ultrapassado, mas mafioso. Tudo isso é a receita de uma bomba que eles continuam fingindo, negando que precise ser desarmada. Uma bomba que já está explodindo o Rio. E que vai explodir todos os Estados e a União.

É obvio que ajuste fiscal é necessário, mas não as custas do social, mas pela eliminação do custo politico que afundou. Porque só falta agora dizer que o que arrebentou o pais foi o bolsa-família. E não as mafias que se instalaram nos buracos institucionais e brechas constitucionais do Estado. Só falta dizer que o problema do Brasil foi a transferência de renda para os mais pobres e carentes e não a “transferências de renda” reversa para os que detém o poder politico e econômico, que sem eufemismo tanto de uma perspectivava de direita ou esquerda tem nome: roubo.

Aliás o caso das transferências de renda e do Rio de Janeiro são emblemáticos. Tanto da farra destes bandidos como o dinheiro público, acobertada pela midia, quanto do mesmo processo agora de criminalização dos programas sociais ao invés dos criminosos que se valem deles para explorar os mais carentes.

Se comprarmos essa ideologia mostruosamente desonesta, ao invés de nos livrarmos do problema, vamos ficar com os problemas e se livrar das soluções. Acabar com os programas sociais e ficar com a classe politica criminosa que usa deles.

Cansei de avisar que a armadilha da pobreza dos programas de transferência condicionada ensejavam um brecha perigosíssima, não apenas para o uso eleitoreiro, populista e criminoso. Porém, continuo avisando que os problemas não é a transferência de renda, mas sim justamente a brecha das contrapartidas, focalizações e todas as condicionalidades que servem para o governante manobrar a população. É preciso acabar como os ratos, mas também tapar de vez os buracos. É preciso parar de renegar e esconder a solução da renda básica incondicional.

Denunciamos faz tempo o perigo do populismo da esquerda autoritária, que crescia a medida que eles iam se apropriando dos excluídos e dependentes como massa de manobra instrumentalizando e aparelhando programas sociais. Porém, deixamos claro que a solução não está na extinção da proteção social. Ela está justamente no oposto, em tirar das mãos da politicagem essa proteção social e fazê-la direito inalienável e irrevogável, ou seja, obrigação constitucional impreterível e incondicionável do poder público.

O populismo seja ele de esquerda ou direita cresce na fraqueza da sociedade civil no vácuo da responsabilidade social e e falta de solidariedade entre os cidadãos. O populismo de esquerda, seu projeto de poder e pretensões totalitárias derreteram, ainda que suas tendências autoritárias não. Mas ele não representa mais nenhum perigo. Não teremos nenhum governo de viés bolivariana comunista, mas um trumpista e fascista bate a porta com força, bate não chuta. Porque a extrema-direita não sai as ruas para quebrar coisas e apanhar, sai as ruas para quebrar pessoas e bater.

Não adianta derrubar o PT, se você não elimina as causas que levam a ascensão do populismo e autoritarismo que não são nasceram com ele, e portanto não morrem com ele. A saber: a corrupção fisiológica do sistema (leia-se PMDB) e a falta de proteção social mais barata eficiente avançada e blindada contra a corrupção e violações inerente as relação de poder. Quanto maior o vácuo social, quanto mais pessoas forem caindo pela extrema desigualdade na massa dos excluídos e esquecidos, quanto mais o sistema ao invés de lida com o problema o falsifica e maquia, dizendo que tudo está bem ou vai ficar bem desde que eles fiquem e façam o que bem entendem no poder. Mais, cresce a massa do qual se alimentam o populismo.

E considerando que o populismo de esquerda foi-se. O que tem o caminho aberto para dominar uma sociedade insolidária e enfraquecida, é o outro: o da direita: da bala, boi e Bíblia, que forma nova cara do fundamentalismo religioso e escravagista e reacionário que sempre grassou no Brasil.

O que esta acontecendo no Rio é emblemático e um alerta para todos nós que precisamos nos solidarizar mutuamente contra esse Estado criminoso que de sindicato de ladrões, demagogos e farsantes está se tornando um antro de bandidos demagogos descarados só que agora mais autoritários que nunca.

Parece até que o estado do Rio não quebrou não com a farra e roubalheira da Copa, da Olimpíada, encobertas por contabilidades pra lá de criativas, um petróleo em alta e uma midia ufanista. Até parece que foi o custo elevado do “excelente” serviço social prestado ao pais por eles. Por eles não porque eles só estão montado em cima, quem presta serviço publico é servidor publico e não politico profissional. Caso você não saiba é assim que funciona: um palhaço apadrinhado politico nomeado para roubar enquanto quem trabalha tenta se virar como pode com ele atrapalhando desviando e desvirtuando tudo.

Se fosse uma empresa o Brasil, seria aquela que pega os diretores roubando fortunas do caixa, e ao invés de despedí-los corta o vale-transporte, e continua deixando os ladrões administrando o caixa!!! Isso é estupidez suicida até para os padrões limitadíssimos do raciocínio patronal. O problema não é a foi a queda dos comodities, ou do petróleo, o problema é que que com a queda, ficou impossível sustentar tamanha ineficiência e roubalheira . Porém, ao invés de despedir os ineficientes e ladrões cortando gastos do setor que só dá prejuízo, eles vão cortar recursos do chão de fabrica, paralisando de vez a produção e perigando de um motim.

Da matriz econômica desenvolvimentista a austeridade da ortodoxia, o Brasil salta de modelos econômicos que só se prestam a proteger e acobertar a criminalidade da politica e economia. O problema é que o momento geopolítico e cultural do mundo é seríssimo e não comparta mais essa fraudes tecnocráticas a serviços de quem detém o poder.

O tecnocracia que governa a Europa um pouco mais escaldadas com os perigos do fascismo, já se ligou e começou a colocar sua sanha de molho.

Mas aqui não. O Brasil caminha como um trem desgovernado para o desastre, pronto para entregar a população sem nenhuma proteção social ao autoritarismo e populismo de uma extrema direita tão retrograda e perigosa senão mais que a norte-americana.

E se você que o fenômeno dos políticos que são os únicos que não querem responder por seus atos passados e futuros; são os únicos fugindo dos tribunais para aumentar seu poder autocrático então veja isto:

Não estamos mais falando de corrupção. Mas de carta branca para fazer o que quiserem contra os povos do mundo. O abismo é bem mais fundo e está mais próximo, mas não chame de abismo. Troque o nome que a queda não vai doer nada. Vai nessa….

100 anos se passaram, mas o mundo e os dilemas não mudaram tanto assim da epóca de Rui Barbosa para hoje. E tem idiota que ainda está comemorando a eleição de Trump, achando que o mundo é tão desconexo quanto sua visão dele e mentalidade. Achando que pimenta no rabo das instituições dos outros é refresco. Mas a reciproca é verdadeira. Verdadeira.

Será que ele continua com a sua mesma opinião para os EUA? Será que ele vai defender que lá a vontade popular tem que ser ignorada, também com o encanador que ele arrumou? Ou será que ele vai pedir com coragem para despedir esse encanador?

Pois é, na casa dos outros é fácil. Difícil é aceita encanadores fazendo o serviço que ele não contratou, não queria, mal feitos e ainda por cima exigindo que ele pague a conta na sua casa.

É muito obvio a falacia da argumento tecnocrático: É claro que quem deve pilotar o avião é o piloto, mas ele só para levar os passageiros para onde eles querem e mandam e não para onde ele quer, e isto sem derrubar a porra do avião! Ou para ficar no exemplo infeliz do “pensador” da tecnocracia: não preciso saber como o encanamento funciona, só preciso fazer saber que não quero um vazando merda, nem um filho-da-puta mexendo no meu encanamento e cobrando caro sem ser contratado. Depois não sabem porque o autoritarismo da tecnocracia abre alas pro fascismo dos autocratas populistas e joga a população revoltada no colo deles. Se depender dessa gente, quem decide quanto filhos você terá que ter é o médico ou o o economista, depende de qual o tipo de ditadura, qualquer um menos o casal.

E ainda dizem que o populista é um cara anti-sistema. Ele não prega o fim do sistema como solução, mas ele como solução para sistema no lugar dos velhos burocratas, tecnocratas e aristocracias. Lógico que subindo ao poder ao invés de acabar com a desigualdade, ele automaticamente constituirá uma nova aristocracia. Mas para quem não tem a perder… quem já está completamente acuado, o que ele vai fazer… continuar na mesma não é uma opção.

O populismo é portanto o subproduto da desesperança, quando as pessoas preferem apostar no incerto e até mesmo perigoso do que ficar com o que já eles sabem que não vai mudar. Até porque se o circo pegar fogo, o que perde quem não tem nada fora obrigações? Um povo sem esperança é um povo sem medo.

“…espero que as pessoas confrontadas entre o obedecer cegamente e o fazer o contrário, façam a coisa certa.” e continuo esperando apesar de tudo.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.

X-Textos: Não recomendado para menores de idade e adultos com baixa tolerância a contrariedade, críticas e decepções de expectativas. Contém spoilers da vida.