Emergência declarada em centro de resíduos nucleares nos EUA

“O Departamento de Energia dos EUA declarou emergência no local de armazenamento de resíduos nucleares em Hanford, Washington, depois que um túnel do local desabou.

O túnel era usado para armazenar materiais e equipamentos altamente radioativos, como trens usados para transportar barras de combustível nuclear”

Aconteceu há poucas horas. Portanto não se sabe ainda se há consequências maiores. Pode ser que não pode ser que sim… pode ser que continuemos sem saber tudo ou apenas em conta gotas sejam amplamente divulgadas ou o sejam em conta gotas.

Mas uma coisa já se sabia antes e vai se continuar sabendo:

“não adianta amarrar macacos a um piano por tempo infinito a um piano, mas dá uma bomba na mão deles para eles para ver o que acontece…”

Ou o que é a mesma coisa em termos menos chulos:

  1. padrões lógicos ou certos não se reproduzem ao acaso em sistemas entrópicos nem mesmo quando as alternativas são limitadas e o tempo infinito.
  2. padrões aleatórios ou erráticos ao contrário, de forma inversamente proporcional, não só podem ocorrer a todo e qualquer momento, como irão necessariamente ocorrer num tempo infinito.

Ou seja:

Em sistemas entrópicos (como por exemplo nosso universo) a probabilidade de ocorrência de eventos aleatórios aumenta com o tempo enquanto a dos eventos logicamente conexos permanece exatamente a mesma; sua ocorrência e incidência não depende do tempo, mas das causas e consequências geradoras. Na verdade também podemos dizer que a entropia é a causa, e o tempo a consequência, mas esse já não é exatamente mais o mesmo tema.

O que é o Deposito Nuclear de Hanford?

“Uma bomba relógio”

Quando a usina de Hanford foi fechada, em 1988, o governo iniciou um enorme esforço de descontaminação, chamado de “o maior projeto de obra civil na história da humanidade”, como se fosse algo para se ter orgulho.

Até hoje, o projeto ainda custa mais de US$ 2 bilhões (em torno de R$ 3,4 bilhões) por ano. Para o ano fiscal de 2013, serão necessários US$ 2,9 bilhões. O trabalho é constantemente interrompido por incidentes de desleixo, dificuldades e acidentes. Em 2008, após duas décadas de limpeza, nem a metade do serviço foi terminada. Somente quatro dos nove reatores foram sepultados. A zona externa deve estar plenamente descontaminada até 2020, os tanques até o fim de 2047.

E depois, é claro, ainda resta o reator ativo. Em operação desde 1984, é considerado um dos menos seguros dos EUA. Após a catástrofe no Japão, seu operador, o consórcio Energy Nortwest, alegou que a usina tem vários sistemas de backup e poderia aguentar um terremoto de 6,9 pontos na escala Richter.

No ano passado, houve 210 terremotos na área de Hanford, sendo o mais forte de 3 pontos. Mas o fato não serem tão severos não serve para assegurar os ambientalistas. “Os tanques subterrâneos vazam, e a água contaminada está se movendo para o rio, o que significa um futuro radioativo para o rio, a não ser que a sujeira possa ser limpa em tempo de evitar um sério desastre radiológico”, diz Glen Spain, diretor das Associações de Pescadores da Costa do Pacífico. “O legado de vastas quantidades de lixo nuclear… ainda é uma bomba relógio”-Depósito nuclear de Hanford ainda impõe sérios riscos, Marc Pitzke, 2011..

O preço da paz?

Stewart Udall, que foi secretário do interior dos presidentes John F. Kennedy e Lyndon B. Johnson, chamou Hanford de o “capítulo mais trágico na história da Guerra Fria americana”.

A partir de 1943, um enorme projeto de construção criou nove reatores atômicos em Hanford, que ainda surgem na areia do deserto como dinossauros fossilizados. Um deles, o reator B, foi o primeiro do tipo.

Foi ali que os EUA, em condições altamente sigilosas, obtiveram o plutônio usado para o Manhattan Project. Hanford forneceu o material para a primeira explosão de uma bomba atômica, o teste Trinity no terreno de testes White Sands, no Novo México, no dia 16 de julho de 1945. A usina também forneceu os 6,4 kg de plutônio-239 para a “Fat Man”, bomba detonada sobre Nagasaki no dia 9 de agosto de 1945.

Na década que se seguiu, Hanford foi a fonte do plutônio para todo o arsenal nuclear militar americano. A liberdade do mundo ocidental dependia de Hanford, dizia-se. A usina foi instrumental em terminar a Segunda Guerra Mundial e agora estava mantendo fria a Guerra Fria.

Isso era aparentemente mais importante do que a saúde das pessoas.

O legado mortífero

Os EUA tinham orgulho de Hanford. Como agradecimento aos funcionários da usina por seu sacrifício diário, eles receberam broches no formato de uma nuvem de cogumelo. D’Antonia conta como a nuvem de cogumelo também era a mascote do time de futebol da escola de ensino médio de Richland, os Bombers, e como havia lojas chamadas Atomic Bowling, Atomic Foods e Atomic Lawn Care.

Hoje, contudo, esse orgulho se tornou horror. Os agricultores da área, os moradores de Richland e das duas cidades vizinhas, Pasco e Kennewick –conhecidas como as Tri-cities- estão entre os seres humanos mais atingidos por radiação da Terra.

É um legado assustador. Em Hanford, 52 prédios estão contaminados e 620 km quadrados estão inabitáveis devido à radioatividade que se infiltrou pelo solo e lençol freático: urânio, césio, estrôncio, plutônio e outros radionuclídeos. Há mais de 204.000 metros cúbicos de lixo altamente radioativo ainda no local –dois terços do total em todos os EUA.

Em uma área, mais de 216 milhões de litros de dejetos líquidos radioativos e água de resfriamento estão armazenados em tanques com vazamentos. Mais de 100.000 varetas de combustível usadas -2.300 toneladas- ainda estão descansando em tanques próximos ao rio Columbia.

A água de resfriamento para os reatores vinha do rio. Até 1971, a água era secretamente bombeada de volta para o rio, após um tratamento mínimo. Altos níveis de radiação foram medidos a 402 km a oeste, onde o rio Columbia chega ao Pacífico. Os índios americanos foram a principal população a comer os peixes contaminados.

Nuvens radioativas

As usinas também emitiam nuvens radioativas, que foram levadas pelo vento até o Oregon, Idaho e Montana e até o Canadá. As pessoas afetadas pelas partículas radioativas, aquelas que ficavam na direção do vento, sofreram mais durante a fase inicial, entre 1945 e 1951, quando foram irradiadas por iodo-131, que entrava para a cadeia alimentar por meio dos produtos animais, como carne, leite e ovos.

Além disso, milhares e milhares de trabalhadores, moradores e agricultores foram deliberadamente contaminados –a título de teste.

No dia 3 de dezembro de 1949, físicos de Hanford liberaram uma nuvem altamente radioativa pela chaminé da chamada T-Plant, a maior fábrica de plutônio da época. A radiação foi quase 1.000 vezes maior daquela que foi liberada durante a fusão de 1979 em Three Mile Island, na Pensilvânia, o pior acidente nuclear na história dos EUA. A nuvem do experimento, que foi chamado de “Green Run”, chegou até a Califórnia. Pessoas se perguntavam por que subitamente adoeceram.

Estudos eventualmente mostraram que alguns bebês em Hanford foram irradiados duas vezes mais do que as crianças de Chernobyl. Antes do “Green Run”, Tom Bailie, filho amado de dois anos de um fazendeiro, brincava nos campos. Mas então ele sofreu uma paralisia inexplicável; depois, ficou estéril. Toda a família morreu de câncer.

Contudo, foi apenas em 1986 que Bailie, com a ajuda de um repórter determinado do “Spokesman Review”, um jornal local, começou a entender o por quê. Era o início do que se tornou uma batalha de décadas entre as vítimas de radiação e o governo americano. As vítimas processaram o governo e o forçaram a abrir os arquivos secretos. Alguns dos processos foram consolidados e se transformaram em uma ação de classe que ainda está em curso.-Depósito nuclear de Hanford ainda impõe sérios riscos, Marc Pitzke, 2011.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store